Benfica supera Boavista nos penáltis e é o primeiro finalista da Taça da Liga

Depois de um empate (1-1) nos 90 minutos e de uma série de grandes penalidades falhadas, as águias foram mais fortes e estão na final onde estará Sporting ou Santa Clara. Veja os golos

O Benfica é o primeiro finalista da Taça da Liga. Os encarnados bateram o Boavista na primeira meia-final da competição, num jogo que só foi decidido nos grandes penalidades depois de um empate (1-1) no tempo regulamentar.

Para este jogo, o técnico interino encarnado, teve uma baixa de peso à última hora: Rafa testou positivo e ficou em Lisboa. Para o lugar do internacional português, Veríssimo escolheu Everton, para fazer dupla com Yaremchuk. Paulo Bernardo, o menino formado no Olival, estava novamente no onze inicial das águias, à frente dos médios João Mário e Weigl.

Do lado dos axadrezados, Petit também foi obrigado a fazer algumas alterações, face a muitas ausências. O treinador alterou três peças, promovendo a titularidade a Filipe Pereira, Luís Santos e Gorré.

O jogo começou com um ambiente frenético, principalmente, na bancada dos adeptos do Boavista. Com uma energia contagiante, os axadrezados apoiavam a equipa que nunca conquistou esta prova.

Mas foi o Benfica que criou a primeira ocasião de perigo junto às balizas. Numa jogada conduzida pelo flanco esquerdo, a bola sobrou para Paulo Bernardo, que serviu Yaremchuk, mas o remate do ucraniano foi travado por Bracali. Na recarga, João Mário não conseguiu bater o guardião brasileiro.

Aos 16 minutos, o Benfica chegou mesmo ao golo. A defesa axadrezada ficou mal na fotografia. Nathan deixou antecipar-se e permitiu o roubo de bola a Everton. O brasileiro olhou para a baliza, escolheu o lado direito e bateu Bracali, dando vantagem às águias.

O Boavista foi à procura da resposta, mas os avançados da equipa de Petit mostravam alguma ansiedade. Contudo, Gustavo Sauer e Musa eram os elementos mais perigosos junto à baliza de Vlachodimos, que não fez uma defesa digna desse nome, nos primeiros 35 minutos.

Aos 39 minutos, os encarnados tiveram oportunidade de aumentar a vantagem. Numa jogada pelo flanco esquerdo, Grimaldo combinou com Diogo Gonçalves, que cruzou para os pés de Everton, mas em boa posição, o brasileiro rematou por cima.

Na segunda parte, o Boavista entrou melhor e, numa jogada aparentemente controlada, os axadrezados conquistaram uma grande penalidade. Numa disputa de bola entre Morato e Musa, o central brasileiro do Benfica carregou em falta o avançado e o árbitro Fábio Veríssimo assinalou de forma imediata o castigo máximo.

Da marca do onze metros, Gustavo Sauer, de pé esquerdo, bateu Vlachodimos e empatou o jogo.

Logo a seguir, o Boavista voltou a criar muito perigo: num novo lance pelo flanco esquerdo, Hamache foi à linha, cruzou para Musa e, à meia volta, o croata viu Vlachodimos a negar-lhe o golo.

À medida que o relógio avançava, o Boavista era a equipa mais perigosa.

A dez minutos do final da partida, o Benfica acordou e começou a jogar com o coração, instalando-se no meio campo adversário. Já com Gonçalo Ramos na frente de ataque, os avançados das águias criaram muitas dificuldades à defensiva axadrezada, mas pecavam na finalização.

Em cima do minuto 90, Veríssimo lançou Pizzi e o experiente médio encarnado ainda foi a tempo de assustar o guardião Bracali com um remate traiçoeiro. Com o empate no placar, a decisão foi para os penáltis.

Nesse desempate, o Benfica acabou por vencer por 3-2, com remates certeiros de Grimaldo, Meite e Weigl, tendo Pizzi e Vertonghen falhado, enquanto os 'axadrezados' apenas concretizaram dois, através de Rodrigo Abascal e Hamache, enquanto Sebastien Perez, Musa e De Santis falharam os seus remates.

O Benfica fica agora a aguardar pelo desfecho da segunda meia-final, a disputar na quarta-feira entre o Sporting e o Santa Clara, para saber o seu adversário na final de de sábado, igualmente no Estádio Dr. Magalhães Pessoa, em Leiria.

Onze do Benfica: Vlachodimos; Diogo Gonçalves, Morato, Vertonghen e Grimaldo; Paulo Bernardo, João Mário, Weigl e Valentino Lázaro; Everton e Yaremchuk.

Suplentes: Helton Leite; André Almeida, Ferro, Meite, Pizzi, Radonjic, Gil Dias, Taarabt e Gonçalo Ramos.

Onze do Boavista: Bracali, Nathan, Abascal, Filipe Ferreira e Hamache; Pérez e Makouta; Luís Santos, Sauer e Gorré; Musa.

Suplentes: João Gonçalves, Guito, Reymão, Namora, De Santis, Ntep, Martim Tavares, Berna e Fran.

Árbitro: Fábio Veríssimo.

Assistentes: Pedro Martins e Bruno Jesus, com Hugo Silva como quarto árbitro.

VAR e assistente: Tiago Martins e Hugo Ribeiro.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de