Atlético gela Dragão e empurra FC Porto para a Liga Europa

Griezmann, Correa e De Paul marcaram os golos no Dragão. Sérgio Oliveira reduziu no último minuto.

É o fim do sonho para o FC Porto na Liga dos Campeões. O Atlético de Madrid venceu por 3-1 no Dragão e empurra os azuis e brancos para a Liga Europa. No outro jogo do grupo B, o Liverpool acabou também com o sonho do Milan nas competições europeias, ao vencer por 2-1 no Estádio Giuseppe Meazza.

Sérgio Conceição tinha apenas um resultado em mente: vencer os campeões espanhóis em casa e garantir um lugar nos oitavos da Liga dos Campeões. Para este jogo decisivo, perante milhares de adeptos no Dragão, o treinador portista deu a titularidade a três elementos que estavam em dúvida. João Mário, Pepe e Grujic regressaram à formação inicial.

Do outro lado, o treinador dos colchoneros, Diego Simeone, foi obrigado a inovar o centro da defesa devido às lesões de três centrais. Hermoso e Kondogbia faziam a dupla de centrais, numa equipa sem João Félix. O internacional português começou o encontro no banco de suplentes. No ataque, Suarez tinha a companhia de Griezmann e Lemar.

Com nervos à flor da pele, ambas as equipas começaram por tentar controlar o jogo, lutando pela posse de bola sobretudo a meio-campo.

Aos 12 minutos, eis um dos momentos capitais da história deste jogo. Suárez ressentiu-se de uma lesão e foi substituído por Matheus Cunha. O internacional uruguaio sentou-se no banco em lágrimas.

Após esta contrariedade, o Atlético teve dificuldades para sair da zona mais recuada e o FC Porto aproveitou exercendo forte pressão no adversário. Logo a seguir, os colchoneros responderam.

Carrasco soltou-se com êxito da marcação e pelo flanco direito entrou na área e cruzou, onde Cunha tentou o desvio. A bola sobrou para Llorente, mas Diogo Costa defendeu o remate com os pés.

À meia hora, os dragões estiveram muito próximos de inaugurar o marcador, mas apanharam pela frente um muro chamado Oblak. O guardião esloveno, que passou pelo futebol português, fez uma defesa por instinto com a mão direita na sequência de um remate de Taremi.

À mesma hora, com as contas do Grupo B em aberto, o Milan adiantara-se no marcador, mas o Liverpool restabeleceu a igualdade pelo inevitável Salah.

No Dragão, o FC Porto voltava a criar perigo junto à baliza colchonera. Evanilson esteve próximo de festejar o golo, com um cabeceamento que rasou o poste direto. Logo a seguir, Evanilson cedeu à pressão junto à área forasteira e a bola sobrou para Gruijc, mas o sérvio rematou para defesa fácil de Oblak. O esloveno estava muito seguro no regresso ao Dragão.

A segunda parte começou com uma oportunidade desperdiçada por Taremi. Vitinha insistiu e conseguiu roubar a bola a Carrasco dentrou da área. O miúdo formado no Olival cruzou para a marca de penálti onde apareceu Taremi que rematou de primeira por cima da baliza de Oblak.

O guardião esloveno esteve, novamente, em destaque com nova defesa, num remate de Taremi. No lance seguinte, o internacional iraniano ficou muito mal na fotografia.

Durante um pontapé de canto, os colchoneros colocaram-se na frente do marcador. A bola chegou à área e Taremi desviou o esférico para os pés de Griezmann. O francês, sem oposição, abriu o marcador e gelou o Dragão.

Ao mesmo tempo, chegava a partir de Milão uma possível boa notícia para os azuis e brancos com a reviravolta do Liverpool. Com a vantagem dos ingleses, bastava ao FC Porto empatar o jogo para poder seguir em frente na prova milionária.

Mas a situação estava mais complicada com a vantagem do Atlético e os colchoneros podiam, aos 60 minutos, ter aumentado a vantagem. Cunha apareceu a rematar de calcanhar na pequena área. A bola rasou a base do poste de Diogo Costa.

O jogo era decisivo e com o final a aproximar-se aqueceu. Carrasco perdeu a cabeça após uma disputa de bola e foi expulso. Logo a seguir, o jogo ficou ainda mais quente. Wendell afastou um adversário e o árbitro considerou o gesto excessivo, mostrando o vermelho ao jogador do FC Porto. Ambos viram vermelho direto.

O jogo esteve interrompido durante alguns minutos, com o árbitro Clément Turpin a tentar acalmar os ânimos, também expulsou um elemento do banco colchonero.

Em cima dos 90 minutos, com a equipa muito exposta, o Atlético foi feliz num contra-ataque. Correa usou a sua velocidade e, na cara de Diogo Costa, fez xeque-mate no jogo.

E nos descontos ainda houve tempo para De Paul marcar o terceiro após uma perda de bola de Mbemba.

Onze do FC Porto: Diogo Costa; João Mário, Mbemba, Pepe, Zaidu; Gruijc, Vitinha e Otávio; Luís Diaz Taremi e Evanilson.

Suplente: Marchesín, Meixedo, Fábio Cardoso, Tecatito, Manafá, Wendell, Nanu, Sérgio Oliveira, Bruno Costa, Toni Martínez, Fábio Vieira e Gonçalo Borges

Onze do Atlético de Madrid: Oblak; Vrsaljko, Kondogbia, M. Hermoso, Carrasco; Koke, Rodrigo de Paul, Marcos Llorente, Lemar; Griezmann e Suárez.

Suplente: Lecomte; Christian, Renan Lodi, F. González, Ibra, H. Herrera, João Félix, Correa e Matheus Cunha.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de