Antes de toda a Europa, as camélias chegaram primeiro... a Gaia

Da história de Vila Nova de Gaia fazem parte as camélias, flores que chegaram à Europa pela mão dos navegadores portugueses. A cidade tem um roteiro dedicado a esta flor, a começar na Praça de Natal Jogos Santa Casa.

O painel de azulejos azul "Viagem da Camélia" reconstrói o percurso da introdução das camélias na Europa, através de Portugal. A obra é do artista japonês Jun Shirasu e está agora localizada na Praça de Natal, em Gaia, onde pode ser visitada por todos.

"O painel conta a história da partida de um navio português da baía de Nagasaki, invocando o naufrágio de Camões, e com passagens por Macau, por Manila, pela Índia, pela costa oriental africana, por Moçambique, o Cabo da Boa Esperança, os Açores e chegando, naturalmente, depois, a Vila Nova de Gaia", explica Paula Carvalhal, vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia.

"É uma forma de celebrarmos esta ligação de Vila Nova de Gaia às camélias", assume a autarca.

É que foi a partir de Vila Nova de Gaia que o cultivo de camélias alastrou, primeiro para a Galiza, e, depois, para o resto da Europa.

A cidade tem, por isso, um roteiro com dois pontos centrais, que começa no Parque da Quinta do Conde das Devesas - um jardim público onde "existem camélias centenárias" - e termina no Solar Condes de Resende, "uma antiga casa senhorial", onde existe um jardim de camélias, e que, atualmente, funciona como um centro de documentação histórica.

A entrada para o Parque da Quinta do Conde das Devesas e para o Solar Condes de Resende é gratuita. Quanto ao painel de azulejo "Viagem da Camélia", pode visitá-lo na Praça de Natal Jogos Santa Casa, até dia 1 de janeiro, com entrada livre.

Recomendadas

Patrocinado

Apoio de