Cruise Origin, o primeiro carro sem volante nem pedais lançado por uma start-up

O novo veículo foi desenhado para permitir uma "experiência partilhada".

A Cruise, uma start-up que pertence à General Motors, revelou o seu primeiro veículo autónomo, confirma a BBC. O carro totalmente elétrico, denominado de "Cruise Origin", foi desenvolvido pela Honda, que também tem uma participação na empresa. O novo veículo não tem volante nem pedais.

No lançamento do projeto, na terça-feira, em São Francisco, nos Estados Unidos, o chefe executivo da Cruise, Dan Ammann, disse que o "Cruise Origin" não é um veículo conceitual: "É autónomo, elétrico e compartilhado". No entanto, ainda não foi revelado quando começa a produção nem quantos veículos a empresa pretende construir.

Este veículo foi desenhado com o principal objetivo de ser partilhado. "Não é um produto que se compra, é uma experiência que deve ser partilhada", afirmou a Cruise. Ammann pretende que a condução passe de uma atividade individual para um modelo de partilha, ajudando na redução do trânsito, acidentes e emissões tóxicas.

Ainda é preciso fazer testes para aprovar a circulação do "Cruise Origin" nas estradas. "O nosso trabalho está longe de terminar", disse Ammann. Esta não é a primeira vez que a Cruise trabalha com veículos autónomos. Durante alguns anos testou carros elétricos Chevrolet Bolt modificados com pilotos de teste ao volante.

A General Motors devia ter lançado o serviço de veículos autónomos no ano passado, mas o plano foi adiado devido à necessidade de se realizar mais testes.

Em 2018, a Honda teve uma participação na Cruise de 5,7%, o equivalente a 2,75 biliões de dólares (2,48 biliões de euros). Como parte do acordo, a General Motors comunicou o objetivo de desenvolver um veículo autónomo em 2018. O SoftBank Vision Fund também investiu na start-up.

Há previsão de mais lançamentos de veículos autónomos que contam com tecnologias de inteligência artificial. No entanto, estes projetos estão a ser adiados devido a razões de segurança e regulamentações. O número de fatalidades envolvendo carros autónomos tem levado a intervenções por parte dos governos.

A fabricante alemã Volkswagen também se queixou das "enormes complexidades" que tem enfrentado no que toca ao desenvolvimento deste tipo de veículos.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de