Facebook e Google anunciam medidas para contrariar desinformação nas eleições dos EUA

Entre várias medidas, os conteúdos que encorajem os espetadores a perturbarem o processo eleitoral também vão ser retirados.

Facebook e Google acrescentaram na quinta-feira instrumentos para procurarem proteger as eleições presidenciais nos EUA, dando prioridade à divulgação de informações fiáveis sobre o voto e pretendendo minimizar as tentativas de manipulação dos eleitores.

Assim, a YouTube vai proibir vídeos com informações obtidas através de atos de pirataria informática que possam perturbar processos democráticos.

A Google já tinha adiantado que as publicidades com informações pirateadas iriam deixar de poder ser publicadas nesta sua plataforma vídeo.

Com a mesma lógica, os conteúdos que encorajem os espetadores a perturbarem o processo eleitoral também vão ser retirados.

As empresas das redes sociais têm apresentado várias iniciativas para provar que tiraram as lições das presidenciais nos EUA e do referendo britânico sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, onde se assistiram a campanhas de influência escondidas e orquestradas, em particular a partir da Federação Russa.

"As campanhas de desinformação são mais virulentas quando ocorrem em vazios informacionais", observou Nathaniel Gleicher, diretor da Facebook, durante uma conferência de imprensa na quinta-feira.

A luta contra operações de desinformação estrangeiras ou domésticas necessita não apenas de as anular, mas também de "garantir que as pessoas têm acesso a informações fiáveis e autênticas durante acontecimentos relevantes", como as presidenciais nos EUA, em novembro, ou a atual pandemia.

A Facebook anunciou na quinta-feira a criação de um "centro de informação" sobre as eleições presidenciais nos EUA, uma espécie de balcão único para disponibilizar informações oficiais.

Em concreto, as pessoas são encorajadas a participar. Podem, por exemplo, verificar se estão bem inscritas para votar e onde podem resolver o problema, em caso contrário, bem como saber as regras do voto por correspondência, possibilidade relevante em contexto de crise sanitária e distanciamento social.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de