Como se diz "fiquem em casa" num país que ainda nem recuperou de dois ciclones?

No Dia da Criança, em plena pandemia de Covid-19, com ajuda da Unicef, a TSF foi conhecer as diferentes realidades dos mais pequenos em diversos países.

"A pandemia também já chegou a África", diz Katarina Johansson, a representante da UNICEF Moçambique, no início da conversa com a TSF.

Em Moçambique, os casos vão progressivamente aumentando, e já ultrapassaram os 200.

"Os efeitos secundários desta doença atacam as crianças e os direitos delas", sublinha Katarina Johansson.

Chegar ao terreno para ajudar as crianças durante a pandemia não é tarefa fácil, o país ainda não recuperou da crise provocada por dois ciclones e são muitos os serviços que não possuem uma resposta rápida.

"Há falta de materiais para o profissional de saúde em Moçambique. Esta é uma crise mundial, a procura é maior do que a oferta. Só há três dias é que a Unicef recebeu pela primeira vez as máscaras, as luvas e os materiais para se testarem os exames", revela a representante da Unicef Moçambique.

Uma das prioridades é informar e consciencializar a população para o distanciamento social, bem como para as regras de segurança. Mas a tarefa não é fácil, "como é que se diz a uma família 'fiquem em casa' quando elas não têm rendimentos nem condições para o dia-a-dia?", questiona Katarina Johansson.

Ainda assim, as rádios comunitárias são usadas para chegar às populações e informá-las sobre a doença que está a mudar o mundo.

A escola em Moçambique tem as portas fechadas pelo terceiro mês consecutivo, o que se traduz em 8,5 milhões de crianças que não têm acesso à educação.

Ao contrário da maioria dos países europeus, a telescola não é uma opção para as crianças moçambicanas.

"As plataformas que permitem a aprendizagem à distância não são acessíveis para todos. E mesmo os meios que utilizamos, como as rádios comunitárias, só chegam a 33% da população rural. A internet só chega a 1% das pessoas", revela Katarina Johansson.

O futuro é incerto, mas a representante da Unicef Moçambique teme que as crianças sejam levadas pela medo.

"Quanto mais tempo ficarem em casa, mais difícil é fazer com que as crianças vão para a escola. Têm medo que não haja condições de segurança. Mas ficar em casa também pode ser um risco, mas de outro problema: exposição à violência", afirma Katarina Johansson.

Leia aqui todas as reportagens TSF sobre o Dia da Criança num mundo em pandemia

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de