Há cada vez mais freiras a sofrerem de burnout no Vaticano

As denúncias anónimas partiram de irmãs que contaram ao "L'Osservatore Romano", o jornal oficial do Vaticano, a exploração laboral e os abusos por parte dos seus superiores.

Devido ao excesso de trabalho e ao stress, cada vez há mais freiras a sofrerem de burnout. O alerta foi dado na última edição do jornal oficial do Vaticano, na qual algumas mulheres denunciaram a exploração laboral e abusos por parte dos superiores.

Sem qualquer contrato de trabalho ou horários definidos, muitas freiras que dedicam a vida ao serviço dos bispos, dos cardeais e da comunidade estão sujeitas a uma hierarquia rígida, trabalham nos seus próprios conventos ou em escolas, hospitais, igrejas e residências privadas, mas são alvo de exploração.

As denúncias anónimas partiram de irmãs que contaram ao "L'Osservatore Romano", o jornal oficial do Vaticano, a exploração laboral e os abusos por parte dos seus superiores.

Este tema foi abordado durante um encontro, em Roma, promovido pela União Internacional de Superiores Gerais, sobre os problemas associados à vida religiosa. No final, recolhidos os testemunhos e os casos de burnout, ficou decidido criar uma comissão especial que nos próximos três anos vai estudar o desenvolvimento desta doença.

O encontro contou com a participação de uma psicóloga e investigadora da Universidade de Oxford...que sugere a elaboração de um código de conduta ou um contrato de trabalho com os superiores, para garantir o bem-estar das freiras. Um acordo que estabeleça, por exemplo, duas semanas de férias e um salário ou até um ano sabático após cinco anos de trabalho.

O Perfeito da Congregação para a Vida Consagrada garante que estes casos de burnout estão a ser investigados.

De acordo com estatísticas recentes publicadas pelo New York Times, um em cada cinco trabalhadores sofre de burnout.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de