Japão exorta China a desempenhar um "papel responsável" sobre conflito na Ucrânia

O ministro dos Negócios Estrangeiros japonês, Yoshimasa Hayashi também falou com o homólogo chinês sobre a necessidade de alcançar a desnuclearização da Coreia do Norte.

O Japão exortou esta quarta-feira a China a desempenhar um "papel responsável" na crise entre a Rússia e a Ucrânia, no primeiro encontro em seis meses dos chefes da diplomacia dos dois países, anunciou o Governo japonês.

O Japão juntou-se aos seus aliados ocidentais na imposição de duras sanções à Rússia após a invasão da Ucrânia, em 24 de fevereiro, enquanto a China se recusou a condenar a agressão russa.

O ministro dos Negócios Estrangeiros japonês, Yoshimasa Hayashi, disse ao seu homólogo chinês, Wang Yi, que a invasão russa era "uma clara violação da Carta das Nações Unidas e de outras leis internacionais", segundo um comunicado do seu gabinete citado pela agência francesa AFP.

Hayashi e Wan estiveram reunidos durante cerca de 70 minutos, por videoconferência, no primeiro encontro desde novembro, de acordo com a agência japonesa Kyodo.

O ministro japonês também falou com o homólogo chinês sobre a necessidade de a comunidade internacional trabalhar em conjunto para alcançar a desnuclearização da Coreia do Norte.

A referência foi feita numa altura em que crescem as preocupações na Coreia do Sul de que o regime norte-coreano esteja a preparar o lançamento de um míssil balístico intercontinental, segundo a Kyodo.

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, visita a Coreia do Sul e o Japão a partir do final desta semana.

Em Tóquio, Biden terá conversações com o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, e participará numa reunião de um grupo que inclui a Austrália e a Índia, além dos Estados Unidos e do Japão.

A aliança informal, conhecida como Quad, é vista como uma forma de exercer pressão sobre a China, que tem aumentado o seu poder económico e militar na região.

"O Japão e os Estados Unidos são aliados, enquanto a China e o Japão têm um tratado de paz e amizade", disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês numa declaração, citada pela AFP.

O ministério chinês considerou que a cooperação bilateral entre Tóquio e Washington "não deve provocar confrontos entre as partes, muito menos prejudicar a soberania, a segurança e os interesses de desenvolvimento da China".

"Esperamos que o Japão aprenda com a História, se concentre na paz e estabilidade regionais e aja com prudência, não agindo como um peão para os outros", acrescentou.

O Japão está preocupado com a crescente presença militar de Pequim no Pacífico e, no encontro com Wang, o chefe da diplomacia de Tóquio discutiu as ilhas disputadas entre os dois países e a situação nos mares do leste e do sul da China.

Hayashi defendeu que Pequim e Tóquio devem "dizer o que precisa de ser dito e encetar um diálogo", mas advertiu que as relações bilaterais "enfrentam várias dificuldades" e que a opinião pública no Japão "é extremamente dura para com a China".

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de