Julgamento de Trump. Defesa fala em processo injusto

A equipa de advogados de Donald Trump começou este sábado as alegações iniciais.

Depois de três dias de argumentos dos Democratas, a defesa de Trump iniciou a tarefa de tentar contrariar a acusação. Os advogados começaram por apresentar inconsistências na tese de abuso de poder e obstrução aos trabalhos do Congresso.

A equipa acusou os democratas de terem usado trechos dos testemunhos ouvidos perante o Congresso, afirmações que foram tiradas do contexto.

Um dos membros da equipa, Pat Cipollone, argumentou que vai apresentar factos e provas que a acusação se "esqueceu" de apresentar. "Vamos mostrar-vos que o presidente não fez nada de errado e esta acusação é uma tentativa de evitar que ele se recandidate às presidenciais de novembro."

Tal como os democratas, a equipa de defesa da Casa Branca socorreu-se de powerpoints, fotografias e vídeos para reforçar os argumentos.

O advogado pessoal de Donald Trump, Jay Sekulow, apresentou declarações do presidente ucraniano a garantir que a conversa telefonica com Trump foi normal e que nunca se sentiu pressionado. Sekulow acusou a acusação de deturpar o que foi dito pensando que podem ler as mentes.

A defesa acusou ainda o Congresso de ter avançado com um processo injusto e argumentou que as intimações de testemunhas não eram legais.

No final da sessão, alguns dos senadores democratas defenderam que, depois de ouvidos os advogados de Trump, lhes parece mais forte a necessidade de ouvir outros testemunhos, uma possibilidade que os republicanos têm recusado.

Os trabalhos são retomados na segunda-feira.

Outras Notícias

Patrocinado

Apoio de

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de