Médicos com Covid-19 chamados a trabalhar na Bélgica para evitar colapso do serviço de saúde

Associação Belga de Sindicatos Médicos admite risco de contágio para os doentes, mas diz que não há escolha.

Há médicos na cidade de Liège, na Bélgica, que estão a receber ordens para continuar a trabalhar apesar de terem testado positivo à Covid-19.

Os serviços de saúde da cidade estão a entrar em colapso, com um quarto dos profissionais de saúde obrigados a parar por terem sido infetados pelo novo coronavírus.

Dez hospitais estão, por isso, a pedir aos médicos que testaram positivo mas que se encontrem assintomáticos para continuarem a trabalhar.

Em declarações à BBC, o presidente da Associação Belga de Sindicatos Médicos, Philippe Devos, admite o risco de contágio, mas garante que não há escolha - é a única forma de o sistema de saúde não colapsar definitivamente nos próximos dias.

Uma em cada três pessoas testadas à Covid-19 em Liège tem resultado positivo. A média nacional é de um em cada cinco casos positivos, numa altura que estão a ser realizados cerca de 80 mil testes por dia no país.

Os hospitais já estão a transferir pacientes e cancelar cirurgias não urgentes, mas estão todos no limite, prestes a ultrapassar a barreira dos 1.000 pacientes de Covid-19 nos cuidados intensivos.

Na semana passada, o ministro da Saúde belga, Frank Vandenbroucke, advertiu que o país está "realmente muito próximo de um 'tsunami'", uma situação na qual "já não há controlo sobre o que se passa".

A Bélgica registou uma média de 12.491 casos nos últimos sete dias, para um total de 321.031 desde o início da pandemia, e um total de 757 doentes internados nos cuidados intensivos.

Para tentar travar a propagação da pandemia no país, o Governo decidiu decretar o recolher obrigatório em todo o território belga, o encerramento de bares, restaurantes ginásios, locais de culto e salas de espetáculo e a obrigatoriedade de teletrabalho "sempre que possível".

A Covid-19 já matou 10.810 pessoas na Bélgica, país que apresenta a segunda maior taxa de incidência da doença da Europa - 1.165 por cem mil habitantes nos últimos 14 dias - depois da República Checa (1.284).

LEIA AQUI TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Recomendadas

Patrocinado

Apoio de