Museu nova-iorquino retira estátua de Roosevelt por glorificar racismo

A estátua de bronze, que se encontra numa das entradas do museu desde 1940, retrata Roosevelt a cavalo, com um nativo americano e um africano ao lado.

O Museu Americano de História Natural vai retirar uma estátua de Theodore Roosevelt, 26º. Presidente dos Estados Unidos, após anos de acusações de que glorifica o colonialismo e a discriminação racial, anunciou o autarca de Nova Iorque.

A estátua de bronze, que se encontra numa das entradas do museu desde 1940, retrata Roosevelt a cavalo, com um nativo americano e um africano ao lado.

"O Museu Americano de História Natural pediu para remover a estátua de Theodore Roosevelt, porque retrata explicitamente os negros e indígenas como subjugados e racialmente inferiores", disse o autarca (mayor) Bill de Blasio em comunicado. "É a decisão certa e o momento certo para remover esta problemática estátua", concluiu.

A responsável do museu, Ellen Futter, explicou ao jornal New York Times que o público da instituição "ficou profundamente comovido com o crescente movimento pela justiça racial que surgiu após o homicídio de George Floyd", o afro-americano que morreu às mãos da polícia.

"Temos assistido à atenção do mundo e o país tem-se voltado cada vez mais para estátuas como símbolos poderosos e dolorosos do racismo sistémico", disse Futter àquele jornal, sem precisar quando a estátua vai ser retirada.

Futter disse que as objeções do museu se limitam à estátua, e não à figura de Roosevelt, um conservador museológico pioneiro cujo pai foi membro fundador da instituição e que serviu como governador de Nova Iorque antes de se tornar no 26.º presidente dos Estados Unidos, de 1901 a 1909.

O museu vai dar o nome do antigo Presidente ao Salão da Biodiversidade, "em reconhecimento do seu legado", acrescentou Futter.

Theodore Roosevelt IV, bisneto do antigo Presidente, apoia a decisão, defendendo que "a composição da estátua equestre não reflete o [seu] legado". "É tempo de remover a estátua e seguir em frente", disse ao New York Times.

A estátua foi alvo de vandalismo em 2017, quando manifestantes derramaram líquido vermelho no pedestal, simbolizando sangue, e apelaram à sua remoção, considerando que se tratava de um símbolo "do patriarcado, da supremacia branca e do colonialismo dos primeiros colonos".

Os protestos antirracistas após o homicídio de George Floyd deram origem à vandalização e remoção de várias estátuas de figuras controversas, como as de Winston Churchill em Londres (Inglaterra), do navegador Cristóvão Colombo ou de generais da Confederação, nos Estados Unidos.

Recomendadas

Patrocinado

Apoio de