Namíbia rejeita oferta alemã de compensação pelo genocídio colonial

O país considera que a oferta alemã "ainda não é aceitável".

A Namíbia rejeitou a oferta da Alemanha sobre as reparações pelo genocídio dos grupos étnicos herero e nama pelas tropas coloniais alemãs, embora o país africano se mostre otimista quanto à possibilidade de um acordo.

"Continuamos determinados a completar esta missão-chave", disse o Presidente da Namíbia, Hage Geingob, na terça-feira, no final de uma reunião com o enviado especial para as negociações com a Alemanha.

Pouco antes, o governo tinha emitido uma declaração com a sua posição sobre o estado das negociações, especificando que a oferta da Alemanha, atualmente em cima da mesa, "ainda não é aceitável" para a Namíbia.

"A atual oferta de reparação feita pelo Governo alemão continua pendente", disse a Presidência da Namíbia, embora sem divulgar detalhes específicos sobre a proposta.

A Namíbia salientou que a Alemanha se recusa a falar de "reparação" nestas negociações, apesar de se comprometer a pedir desculpas incondicionais pelo massacre dos grupos étnicos namibianos.

A Alemanha recorreu à fórmula "cicatrização de feridas", considerada inadequada pela Namíbia, e consequentemente os dois países estão agora a trabalhar num quadro de acordo que fala de "reconciliação".

No que diz respeito à compensação, a Namíbia está a fazer progressos na identificação e orçamentação de vários projetos que o país necessita em áreas como o abastecimento de água, eletrificação rural, estradas, habitação, educação ou desenvolvimento agrícola, entre outras.

Geingob instruiu o seu negociador, o embaixador Zed Ngavirue, para conseguir que Berlim apresente uma proposta reformulada.

A Alemanha e a Namíbia têm estado em conversações desde 2015 sobre a revisão das atrocidades cometidas pelo Império Alemão durante o período colonial e possíveis compensações.

A ocupação alemã de territórios atualmente pertencentes à Namíbia teve lugar entre 1884 e 1915.

A 12 de janeiro de 1904 houve uma primeira revolta dos herero contra o domínio colonial alemão, seguida, em outubro, pela revolta da população nama.

Estima-se que os soldados do Imperador Guilherme II tenham exterminado 65.000 hereros de uma população de 80.000 e pelo menos 10.000 dos 20.000 nama.

Este genocídio é considerado um precedente para outras limpezas étnicas.

Em novembro de 2019, o Parlamento alemão usou pela primeira vez a palavra "genocídio" para se referir a este massacre e o negociador alemão, Ruprecht Polenz, adiantou que o acordo com a Namíbia estava próximo.

Apesar dos progressos nas negociações, Berlim não prevê o pagamento de indemnizações individuais, ao contrário das exigências dos representantes dos povos herero e nama, que apresentaram uma queixa contra a Alemanha em Nova Iorque em 2017.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de