Parlamento Europeu aprova medidas para atenuar efeitos de um Brexit sem acordo

As medidas visam garantir que os britânicos continuem a ser elegíveis para programas de financiamento desde que Londres contribua para o orçamento de 2020.

O Parlamento Europeu aprovou esta terça-feira propostas legislativas que visam atenuar os efeitos de um Brexit desordenado, garantindo que os britânicos continuam a ser elegíveis para programas de financiamento desde que Londres contribua para o orçamento de 2020.

As medidas aprovadas pelos eurodeputados em Estrasburgo - que não serão aplicáveis caso seja aprovado o Acordo de Saída até 31 de outubro - destinam-se a assegurar, por exemplo, que os beneficiários britânicos, como investigadores, agricultores e estudantes Erasmus, continuem a ser elegíveis para participar em programas no âmbito do orçamento da UE até ao final do atual quadro financeiro (2014-2020), desde que o país assuma o compromisso de contribuir para o orçamento comunitário do próximo ano.

Outras medidas visam garantir a conectividade do transporte de mercadorias e de passageiros e a conectividade aérea, e estabelecer um quadro para que os pescadores da UE e do Reino Unido mantenham o acesso às águas da outra parte em 2020.

Há ainda medidas para assegurar que o Fundo Europeu de Ajustamento à Globalização esteja disponíveis para apoiar, "sob certas condições", os trabalhadores por conta de outrem que sejam despedidos ou os trabalhadores independentes cuja atividade cesse "devido a perturbações económicas causadas por uma saída sem acordo".

Ainda durante a sessão plenária que decorre em Estrasburgo, os eurodeputados vão votar, na quinta-feira, uma outra proposta para alargar o âmbito de aplicação do Fundo de Solidariedade da UE, com a definição de "catástrofes de grandes proporções" a passar a abranger não apenas catástrofes naturais, como também "situações em que são impostos a um Estado-membro sérios encargos financeiros em consequência direta" de um Brexit desordenado.

O Reino Unido deverá abandonar o bloco europeu na próxima semana, a 31 de outubro, mas o Governo britânico liderado por Boris Johnson ainda não conseguiu fazer passar na Câmara dos Comuns o Acordo de Saída revisto que celebrou com a UE na passada quinta-feira, e que os 27 já endossaram entretanto durante o último Conselho Europeu, aumentando as dúvidas sobre se, como e quando os britânicos deixam a União.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados