Pentágono admite não ter provas de que Soleimani planeava ataques a embaixadas

O secretário de Defesa norte-americano diz que Trump não referiu nenhuma prova em concreto.

O secretário da Defesa norte-americano admitiu hoje não ter visto qualquer "prova" concreta de que o general iraniano Qassem Soleimani, morto numa ação militar ordenada por Washington, estaria a planear ataques contra embaixadas norte-americanas, como avançou Donald Trump.

"O Presidente (norte-americano Donald Trump) não referiu uma prova em concreto e eu não vi nenhuma, no que diz respeito às quatro embaixadas", admitiu Mark Esper, numa entrevista ao canal norte-americano CBS News.

O chefe do Pentágono (Departamento de Defesa) esclareceu, no entanto, que apoia as declarações de Trump, concordando na probabilidade de os iranianos atacarem embaixadas "porque são um ponto de destaque da presença dos Estados Unidos num país".

Esta entrevista a Mark Esper vem acrescentar mais dúvidas sobre as declarações feitas por Donald Trump na passada sexta-feira a um outro canal de televisão norte-americano.

Numa entrevista ao canal Fox News, Trump tentou justificar a ação militar contra o general iraniano, tendo afirmado que acreditava que o Irão pretendia atacar, a par da embaixada norte-americana em Bagdad, outras três representações diplomáticas dos Estados Unidos.

Inicialmente, o governante disse que o general iraniano planeava ataques indefinidos contra alvos norte-americanos, tendo posteriormente especificado que o alvo era a representação diplomática dos Estados Unidos em Bagdad.

Mais tarde, Trump voltou a acrescentar informações e falou em ataques contras outras missões diplomáticas.

O importante general Qassem Soleimani, emissário da República Islâmica no Iraque, foi morto em 03 de janeiro num ataque em Bagdad ordenado por Washington.

Em retaliação, o Irão lançou uma salva de mísseis sobre bases com militares norte-americanos no Iraque.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de