″Regras hoje são diferentes.″ Plácido Domingo acusado de assédio sexual por nove mulheres

Plácido Domingo, um dos maiores cantores de ópera de sempre e integrante do famoso trio Os Três Tenores (composto também por José Carreras e Luciano Pavarotti), está a ser acusado de assédio sexual por nove mulheres com quem trabalhou.

O caso divulgado esta terça-feira pela Associated Press remonta a episódios acontecidos durante as décadas de 1980, 1990 e 2000. As alegadas vítimas eram jovens mulheres, em início de carreira, que trabalhavam em companhias de ópera em que o tenor espanhol ocupava posições de topo.

Plácido Domingo terá pressionado as mulheres a ter relações sexuais e castigado em termos profissionais aquelas que se recusavam a fazê-lo, não voltando a trabalhar nas companhias dirigidas pelo tenor.

Entre as alegadas vítimas estão uma dançarina e oito cantoras, mas apenas uma das mulheres se identificou: Patricia Wulf, uma cantora que trabalhou com o tenor na Ópera de Washington. As restantes preferiram manter-se no anonimato, alegando temer represálias na indústria da ópera e a humilhação pública.

De acordo com a Associated Press, as mulheres apresentam relatos similares. Por norma, Plácido Domingo telefonava-lhes para casa insistentemente à noite, mostrando interesse nas suas carreiras e pedindo-lhes para se encontrarem em privado no seu apartamento ou num quarto de hotel para lhes dar conselhos profissionais.

Além destes relatos, mais de 30 profissionais do mundo do espetáculo admitem ter testemunhado comportamentos sexuais inapropriados por parte do tenor. Consta que, entre colegas, era frequente ouvir conselhos às profissionais femininas para que nunca ficassem a sós com Plácido Domingo e evitassem encontros com ele.

#MeToo

As alegadas vítimas justificam o facto de só agora virem a público com as suas histórias por medo de represálias a nível profissional e de humilhação pública, mas dizem ter-se sentido empoderadas com o recente movimento #MeToo.

O tenor espanhol já reagiu às acusações através de um comunicado. Plácido Domingo afirma que as alegações em causa "são profundamente perturbadoras e, do modo como são apresentadas, falsas".

O cantor aponta, no entanto que "as regras e os padrões pelos quais somos - e devemos ser - regidos hoje são muito diferentes do que eram no passado".

"Sempre acreditei que todas as minhas interações e relacionamentos foram bem recebidos e consensuais", garantiu Plácido Domingo. "As pessoas que me conhecem ou que trabalharam comigo sabem que não sou uma pessoa que intencionalmente magoaria ofenderia ou causaria embaraço a alguém."

"É doloroso ouvir que posso ter feito alguém sentir-se transtornado ou desconfortável - independentemente de há quanto tempo aconteceu e das minhas melhores intenções", concluiu.

Plácido Domingo, hoje com 78 anos, é atualmente diretor da Ópera de Los Angeles. Vencedor de sete prémios Grammy e dois prémios Emmy, foi ainda distinguido internacionalmente ao mais alto nível, incluindo pela República Portuguesa, tendo recebido a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, em 1998, e a Grã-Cruz da Ordem da Instrução Pública, em 2018.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados