Portugal "deve esperar" a expulsão de diplomatas da embaixada em Moscovo

O presidente do Observatório de Segurança, criminalidade organizada e terrorismo, Jorge Bacelar Gouveia, espera "uma troca de decisões", como já "aconteceu noutros países", para a expulsão de diplomatas na Rússia.

A classificação de dez funcionários da missão diplomática russa como persona non grata por parte do Governo de Portugal é "uma maneira justa e forte de manifestar a sua discordância em relação à invasão da Rússia à Ucrânia", defende o presidente do Observatório de Segurança, criminalidade organizada e terrorismo, Jorge Bacelar Gouveia.

Depois da decisão do executivo português, agora o país "deve esperar" a expulsão de diplomatas da embaixada em Moscovo como "uma troca de decisões", como já "aconteceu noutros países" e, para o jurista, Portugal "não será um caso excecional".

Esta terça-feira, dez funcionários da embaixada da Rússia receberam ordem de expulsão por parte do Governo português por praticarem atividades "contrárias à segurança nacional". Após o comunicado, os funcionários expulsos têm agora "duas semanas para abandonar o território nacional".

A figura de persona non grata está "prevista na Convenção de Viena sobre relações diplomáticas", explica Bacelar Gouveia, com a ressalva de o país não necessitar de, com este documento, "exigir qualquer justificação".

No caso português, a ordem foi seguida de um motivo, e, para o jurista, "é porque quer tornar mais forte a sanção e protesto" contra a Rússia.

ACOMPANHE AQUI TUDO SOBRE A GUERRA NA UCRÂNIA

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de