O país que vai dar certo?

Reabre hoje ao público o Museu de Língua Portuguesa, na cidade de São Paulo, no Brasil. O mesmo tinha sido devastado pelas chamas num incêndio que destruiu dois terços da estrutura do edifício e provocou a morte de um bombeiro e que ocorreu em dezembro de 2015. Está instalado na centenária Estação da Luz desde que foi inaugurado em 2006, e foi um dos primeiros a homenagear a língua portuguesa no mundo, com experiências interativas, conteúdo audiovisual e ambientes imersivos.

Foram precisos seis anos para o reconstruir e a obra de recuperação contou com a ajuda de Portugal. O espaço e o espólio são um orgulho para todos os que falam a língua de Camões.

Marcelo Rebelo de Sousa, presidente da República, participa na reinauguração deste icónico museu. Mas o Presidente não terá viajado certamente apenas pela língua, mas pela importância política, geoestratégica e económica do Brasil no mundo e, claro, na sua relação com Portugal. Marcelo conseguiu fazer o pleno: agendou quatro encontros com quatro presidentes. Lula da Silva, Fernando Henrique Cardoso, Michel Temer e Jair Bolsonaro, todos à conversa com o chefe de Estado português.

O Presidente foi acompanhado pelo ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e fez ainda encontros com representantes das comunidades portuguesas em São Paulo e em Brasília. Esta é a quinta deslocação do Presidente da República a terras de Vera Cruz, onde esteve logo no primeiro ano de mandato, em 2016, para a abertura dos Jogos Olímpicos. Dois anos mais tarde, em janeiro de 2018, foi recebido por Bolsonaro, em Brasília, no dia seguinte à posse deste como presidente.

O Brasil vive uma dramática gestão da pandemia, desgovernada por um presidente que tem vindo a revelar-se ditador nas suas políticas e irresponsável em matérias de saúde. Ameaçado agora no poder pelas manifestações nas ruas, pela sombra de Lula da Silva e pelas nuvens sombrias de uma terceira via política, Bolsonaro endurece o seu discurso diariamente esquecendo-se de que o mundo está atento e não vai deixar cair uma grande potência como o Brasil.

O eterno "país que vai dar certo" ainda não deu certo com Bolsonaro e precisará de um novo líder para sair deste desgoverno. Que as comemorações dos 200 anos de independência do Brasil, em 2022, sejam sinónimo de um novo paradigma em construção.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de