Mulher de João Rendeiro foi detida. Ministério Público alega "forte perigo de fuga"

Um apartamento de 1,1 milhões de euros foi comprado por Florêncio de Almeida, motorista do ex-banqueiro, mas estaria a ser utilizado pela mulher de Rendeiro. Foi emitido um mandado de detenção para a suspeita, e a PJ acabou mesmo por a deter devido ao perigo de fuga.

A mulher de João Rendeiro, Maria de Jesus Rendeiro, foi detida esta manhã. A notícia é avançada pela RTP, que adianta que a detenção ocorreu no âmbito das buscas na Quinta Patino, onde vivia o antigo presidente do BPP e a mulher, ambos suspeitos de um crime de branqueamento de capitais.

A Polícia Judiciária emitiu um mandato de detenção em nome de Maria de Jesus Rendeiro, aparentemente por risco de perigo de fuga. O Ministério Público confirma que foi feita a detenção de uma suspeita, sem, contudo, precisar a sua identidade. "Por se ter considerado existir um forte perigo de fuga, para a aquisição e conservação da prova e para a descoberta da verdade, contra uma suspeita foram emitidos e cumpridos mandados de detenção para ser apresentada, no prazo de 48 horas, a primeiro interrogatório judicial com vista à aplicação de medidas de coação adequadas", esclarece o Departamento Central de Investigação e Ação Penal.

O Departamento Central de Investigação e Ação Penal acrescenta que foram emitidos e cumpridos mandados de detenção contra uma suspeita para esta se apresentar, "no prazo de 48 horas, a primeiro interrogatório judicial com vista à aplicação de medidas de coação adequadas".

A PJ fez esta manhã buscas na casa do casal na Quinta Patinho e também nas casas do presidente da ANTRAL e do seu filho, ambos com o nome de Florêncio de Almeida. Os inspetores realizaram buscas domiciliárias e não domiciliárias, num total de pelo menos 14 diligências. "A ação desenvolveu-se em Lisboa, Oeiras, Estoril e Alcáçovas", contando com a participação de perto de 50 inspetores e peritos da Polícia Judiciária, descreve esta polícia num comunicado enviado à TSF.

Entre estas estão as buscas na casa de Maria de Jesus rendeiro, na Quinta Patino. Tanto Maria de Jesus como João Rendeiro estão implicados na investigação relativa às suspeitas de um alegado crime de branqueamento de capitais.

A PJ está também a realizar buscas na casa de Florêncio de Almeida, presidente da ANTRAL, e também na casa do seu filho que foi motorista de João Rendeiro durante vários anos. O inquérito é conduzido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

O pai de Florêncio de Almeida (que tem o mesmo nome), presidente da ANTRAL e também conhecido como "o rei dos táxis", está também a ser investigado por um crime da mesma natureza - branqueamento -, por suspeitas de ter comprado a casa do casal Rendeiro em 2015, por um montante abaixo do valor de mercado e de a ter vendido três anos depois por cinco vezes mais esse valor, tendo auferido pai e filho mais de 520 mil euros nestas transações.

Maria de Jesus, mulher de João Rendeiro, também é suspeita neste processo, devido à suposta cumplicidade com os negócios de branqueamento e por alegadamente ter deixado que o marido vendesse obras de arte já apreendidas pela Justiça e, mais tarde, ter trocado por outras falsificadas.

De acordo com a PJ, "estão em causa suspeitas da prática dos crimes de branqueamento, falsificação e descaminho, relacionados com o acervo de obras de arte apreendidas a João Rendeiro, no âmbito da investigação BPP".

João Rendeiro continua foragido à Justiça, desde setembro.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de