Operadoras garantem que "redes estão preparadas para responder" à Covid-19

Empresas divulgam plano para manter as telecomunicações a funcionar em tempo de pandemia.

As operadoras de comunicações apresentaram ao Governo um plano que visa minimizar os impactos da pandemia no país. Em comunicado, as operadoras reconhecem ter "uma especial responsabilidade" e prometem garantir - "na medida do possível", salienta a nota enviada às redações -, o funcionamento dos serviços e a proteção das operações em infraestruturas cruciais.

O plano, assente em seis vertentes, vai estar em vigor por tempo indeterminado e será revisto "em função da evolução da situação", acrescenta o comunicado conjunto da MEO, NOS e Vodafone.

A manutenção da qualidade de serviço das redes é a maior preocupação dos operadores. Por isso, a capacidade das mesmas tem vindo ser reforçada nas zonas geográficas onde os utilizadores passaram a concentrar-se. "Mais nas suas residências e menos nos centros de escritórios e empresariais", lê-se no comunicado.

Garantindo que "as redes estão estão preparadas para responder a um acréscimo de tráfego", as operadoras de comunicações deixam um apelo a "uma utilização responsável da Internet, de modo a prevenir eventuais congestionamentos das redes e a perturbação dos serviços".

O crescimento do teletrabalho levou os operadores a sugerir aos clientes do setor empresarial a adoção de sistemas de VPN (redes privadas virtuais), com o objetivo de garantir um acesso remoto seguro, segundo o mesmo comunicado.

O segundo ponto da nota enviada às redações diz respeito às funções críticas do Estado. Também aqui o plano prevê "um reforço de rede onde seja mais necessário", sem deixar de assegurar que as operadoras vão manter um "diálogo próximo com o governo".

As empresas asseguram já terem posto em marcha medidas que visam a contenção do novo coronavírus, recomendando a suspensão da atividade comercial presencial, a restrição dos horários de atendimento ao público e a racionalização das lojas sujeitas a obrigatoriedade de abertura.

Preocupadas com as fraudes, as operadoras alertam que "nenhum destes operadores realizará visitas presenciais, de sua iniciativa, sem um pedido prévio de assistência por parte do cliente", recordando que "todos os técnicos e equipas operacionais dos operadores estão munidos do respetivo cartão de identificação, sendo que a sua exibição deverá ser exigida pelo cliente antes de dar entrada na habitação."

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de