"O Orçamento mais à esquerda de sempre é uma piada"

Paula Santos afirma que este é um Orçamento que "passa ao lado dos problemas estruturais do país"e dos jovens.

Paula Santos, do PCP, lamentou que o PS tenha "recusado as soluções apresentadas pelo partido", como a valorização dos salários dos trabalhadores; o aumento extraordinário de todas as pensões em 5,3%; a fixação de preços na alimentação, combustíveis, eletricidade e gás; o alargamento da atribuição de subsídios para fixar profissionais de saúde em zonas carenciadas; medidas de proteção da habitação e o alargamento de uma rede pública de creches.

Este é um Orçamento que "passa ao lado dos problemas estruturais do país", passa ao lado dos jovens, dos pais, lamenta Paula Santos. "Foi a confirmação de que a maioria absoluta do PS não vai dar resposta aos problemas dos trabalhadores e reformados", que "abraça os interesses dos grupos económicos" e que continua submisso "às imposições da União Europeia".

O "PS é responsável por um corte de facto dos salários e pensões, pela especulação e empobrecimento", acusa a deputada comunista, anunciando o chumbo do PCP.

"Há uma enorme distância entre o Orçamento e os orçamentos anteriores, que confirma que os avanços alcançados nos últimos anos só foram possíveis pela nossa persistência e tantas vezes contra a vontade do PS", aponta Paula Santos.

"A retórica do Orçamento mais à esquerda de sempre não passa de uma piada (...) e o apregoado diálogo da maioria absoluta é uma farsa."

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de