Abate de árvores no Parque Natural Sintra-Cascais? PAN quer perceber veracidade das denúncias

Inês Sousa Real desloca-se esta terça-feira à tarde ao local. O PAN considera que se as denúncias forem verdadeiras trata-se de "um abate em zona protegida". Por isso, o partido irá submeter uma pergunta ao Governo "para saber se houve ou não autorização do ICNF relativamente a esta intervenção".

O PAN diz ter recebido denúncias de que, nos últimos dois meses, foram abatidas centenas de árvores no Parque Nacional Sintra-Cascais. Abates promovidos pela Câmara de Cascais, que alega estar a fazer "gestão florestal" e a procurar "erradicar espécies invasoras exóticas".

O PAN sublinha que os abates estão a acontecer numa zona protegida e, por isso mesmo, esta terça-feira à tarde vai até ao local para perceber o que se está a passar.

"Não só estamos a falar de abate em zona protegida, como também, contrariamente àquilo que tinha sido avançado, não se tratam apenas de espécies invasoras. Aquilo que nos chega em termos de denúncia é que estão também a ser abatidas árvores da floresta autóctone e, para além disso, não estão a ser retiradas as raízes das espécies invasoras, o que leva a que haja aqui uma maior proliferação destas espécies após o seu corte, em detrimento das demais árvores que estão a ser abatidas e cujas raízes estão a ser arrancadas, porque aí sim estamos a falar de árvores que têm um património e valor muito elevado", explica Inês Sousa Real em declarações à TSF.

A Câmara de Cascais afirma que o abate de árvores "se enquadra nas melhores práticas nacionais de gestão florestal". Inês Sousa Real quer ir ao local para ver se é mesmo assim. Isto, num caso onde o partido poderá acabar nos tribunais.

"Pretendemos, de facto, por um lado ir ao local com os ativistas que denunciaram, mas também vamos submeter uma pergunta ao Governo para saber se houve ou não autorização do ICNF relativamente a esta intervenção", afirma, sublinhando que, no entender do PAN, "deveria ser um património preservado".

Depois de avaliar o que realmente se passa no local, o PAN vai "ponderar" se avança ou não "com alguma outra iniciativa, nomeadamente em sede judicial por via da providência cautelar".

O PAN tem questões para apresentar ao ICNF. Inês Sousa Real quer perceber que tipo de autorização deu o organismo a este abate de árvores.

"O que consta da nossa pergunta para o ICNF é precisamente onde estão os pareceres do ICNF relativamente a estes abates. O Parque Natural de Sintra-Cascais tem uma área que é considerada património da Humanidade e este tipo de intervenções pode por isso em causa e por em causa os poucos balões de oxigénio que temos no nosso país", acrescenta.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de