Diálogo de Costa, utilidade de Rio e demissão de Chicão. As frases que ficam da noite eleitoral
Legislativas 2022

Diálogo de Costa, utilidade de Rio e demissão de Chicão. As frases que ficam da noite eleitoral

Tópicos chave

As últimas duas semanas foram de muita comunicação para os líderes dos partidos que se candidatavam aos próximos quatro anos na Assembleia da República, mas por mais que possam ter dito, houve palavras que ficaram inevitavelmente guardadas para esta noite.

António Costa, reeleito com maioria absoluta

"Uma maioria absoluta não é poder absoluto, não é governar sozinho, é uma responsabilidade acrescida."

"Os portugueses mostraram um cartão vermelho a qualquer crise política."

"Esta será necessariamente uma maioria de diálogo. Em democracia, ninguém governa sozinho."

"O primeiro garante de que não pisaremos o risco sou eu próprio."

"Quando for indigitado pelo senhor Presidente da República, promoverei reuniões com todas as forças políticas, com a exceção daquela que disse que não faz sentido consumir tempo de diálogo [o Chega]."

"Agora será a vez do senhor Presidente da República interpretar os resultados e designar uma personalidade para formar Governo e, depois, essa personalidade formará o Governo. Se for eu, nessa altura apresentarei o Governo."

Rui Rio, com a porta da saída aberta

"Não atingimos nem de longe, nem de perto os objetivos que queríamos e o PS é de longe o grande vencedor da noite."

"Há aqui um fenómeno que efetivamente decidiu completamente as eleições: houve um voto útil à esquerda absolutamente esmagador."

"Fizemos o orçamento de campanha de tal forma que, mesmo com este resultado, não há qualquer défice, não há qualquer dívida."

"Quem é o primeiro responsável? Sou eu, quem é que havia de ser?"

"Se se confirmar que o PS tem uma maioria absoluta - tem, portanto, um horizonte de governação de quatro anos -, eu sinceramente não estou a ver como é que posso ser útil neste enquadramento."

"Não estou a ver, neste enquadramento, como é que eu posso ser útil, com quatro anos em cima."

André Ventura quer ir "atrás de Costa"

"O grande responsável disto chama-se Rui Rio e chama-se PSD."

"A dita direita passou o tempo todo a dizer que não fazia acordos com o Chega, que com o Chega não, e o resultado está aí."

"A partir de agora, haverá quem diga as verdades naquele parlamento e não será um em 230. Serão 10, ou 12 ou 14 em 230. Será um grupo parlamentar fortíssimo nesta próxima legislatura."

"Se o PS acha que vai ter a vida mais facilitada nesta legislatura, nós vamos transmitir-lhe a mensagem precisamente oposta."

"Costa, eu vou atrás de ti!"

Cotrim de Figueiredo, opositor implacável

"Oposição firme, constante e implacável ao socialismo que há tanto tempo desgoverna Portugal."

"Passamos para quarta força política e mostramos que é possível fazer uma campanha com clareza de objetivos, coerência de comportamento e coragem de falar popular e não popular."

Catarina Martins contra "deputados a mais"

"Cada deputado racista eleito no parlamento português é um deputado racista a mais e cá estaremos para os combater todos os dias."

"A estratégia do PS, de António Costa, de criar uma crise artificial para ter uma maioria absoluta, ao que tudo indica, foi bem sucedida."

"Já tivemos bons resultados e maus resultados. Já estive em campanhas com bons e maus resultados. O Bloco de Esquerda naturalmente tomará as suas decisões e essas cabem aos seus militantes."

"Faremos o balanço destas eleições como sempre fizemos e tomaremos todas as decisões que os militantes do BE achem por bem tomar na sua vida normal do partido."

""As razões do voto no Orçamento do Estado nunca foram tática eleitoral da nossa parte. O facto de termos um mau resultado eleitoral não significa que comecemos a acreditar que o orçamento era bom."

Jerónimo de Sousa, sem perder a dignidade e a coragem

"O resultado obtido pela CDU traduz uma quebra eleitoral com significativas perdas de deputados, inclusive a representação institucional do PEV."

"Extrema promoção da bipolarização, beneficiou o PS, apesar da sua postura de fuga às respostas necessárias ao país."

"Permitam-me que termine... Não sei, estou inspirado... Quando um homem perde os bens, perde pouco. Quando perde a dignidade, perde muito. Quando perder a coragem, perde tudo."

Francisco Rodrigues dos Santos, o adeus do ex-líder do CDS

"Este resultado não deixa margem para dúvidas de que deixei de reunir condições para continuar a liderar o CDS - Partido Popular e, por essa circunstância, apresentei ao presidente do Conselho Nacional a minha demissão de presidente do CDS."

"Eu como líder do partido quero assumir a responsabilidade destes resultados eleitorais."

"[Lamento] O facto de o partido não ter beneficiado durante estes dois anos da minha liderança de um clima de paz interna que permitisse concentrar-se na sua verdadeira vocação, que era fazer oposição ao PS."

"Serei sempre do CDS, estarei sempre ao lado do meu partido para o ajudar neste recomeço e entendo que este novo tempo nos interpela a todos enquanto partido a fazer uma profunda reflexão, desfia-nos a recomeçar. E nesse caminho, enquanto houver estrada para andar, e no nosso partido terá muita, poderão sempre contar comigo pois nunca farei aos outros aquilo que me fizeram a mim."

Inês de Sousa Real, sozinha na missão

"É um mau resultado que assumimos e que a direção terá que fazer a sua reflexão interna em relação à estratégia que queremos desenvolver para o futuro do partido e do país."

"É com muita tristeza que assumo este mandato sozinha."

"O populismo cresceu, não apenas do ponto de vista antidemocrático, mas também de iniciativas neoliberais que nada trazem do ponto de vista de um Estado de direito forte, como é saúde, educação, entre outras matérias."

"Infelizmente, nas maiorias absolutas, não há tanta pluralidade democrática quanto seria desejável."

"Independentemente de todas as vicissitudes que possam acontecer em democracia, às vezes, há avanços e, outras vezes, há recuos. Temos que saber que nem sempre perder é falhar. Nós falhámos um objetivo, mas conseguimos manter a nossa representação."

Rui Tavares "veio para ficar"

"Temo que uma maioria absoluta se possa fechar em si mesma e esse é um dos grandes desafios da Assembleia da República."

"A esquerda verde europeia regressa ao parlamento para ficar."

"Sabemos que é em certa medida uma segunda oportunidade que nos é dada, sabemos que não vamos pedir uma terceira, vamos trabalhar com muito afinco."

"O Livre fará mais do que concentrar-se apenas no PS: esse tem sido o grande erro da esquerda e até de uma esquerda que costuma insistir muito em linhas vermelhas e num discurso ate de alguma agressividade intra-esquerda."

"Quando a política tradicional, nomeadamente os partidos de esquerda tradicional não conseguem entender-se (...) depois é natural que surjam fenómenos digamos perturbadores da vida normal da democracia."

LEIA AQUI TUDO SOBRE AS LEGISLATIVAS 2022

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de