Fazer parte de uma comissão de honra de um "dos maiores devedores do Novo Banco não fica bem"

A coordenadora do Bloco Esquerda defendeu que "não fica bem" o primeiro-ministro estar incluído na comissão de honra "de alguém que está implicado no problema do BES".

A coordenadora do Bloco de Esquerda criticou este sábado António Costa por integrar a comissão de honra da recandidatura de Luís Filipe Vieira à presidência do Benfica, defendendo que "não pode existir cumplicidade entre a política e os negócios".

"Saber hoje que o primeiro-ministro acha normal fazer parte de uma comissão de honra de alguém que é dos maiores devedores do Novo Banco e que está implicado no problema do BES (Banco Espírito Santo) não fica bem", afirmou Catarina Martins.

A líder bloquista, que falava esta tarde em Almada, no distrito de Setúbal, durante uma sessão de rentrée do partido, admitiu que as paixões de futebol e outras são todas humanas e aceitáveis", mas ressalvou que "ao primeiro-ministro aquilo que se pede é o dever de reserva".

"Nada pode ser como antes e a cumplicidade entre a política e os negócios não pode ser aceite neste país", vincou.

Segundo uma notícia deste sábado do semanário Expresso, o primeiro-ministro, António Costa, e o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, integram a comissão de honra da recandidatura de Luís Filipe Vieira à presidência do Benfica.

Recomendadas

Patrocinado

Apoio de