Líder do CDS diz que foi o primeiro a sugerir "frente de direita" para autárquicas de 2021

Francisco Rodrigues dos Santos mostrou-se esperançado num acordo entre o PSD e o CDS.

O líder do CDS-PP afirmou esta quarta-feira que foi o primeiro dirigente a "sugerir uma frente de direita para vencer a esquerda" nas autárquicas de 2021 e disse que o processo já decorre a nível institucional, com o PSD.

Instado a comentar uma carta aberta do do presidente da Juventude Social-Democrata, que apelou a um acordo do centro-direita [PSD, CDS-PP e IL] nas autárquicas de 2021, o presidente centrista lembrou, em Leiria, no final de uma visita a unidade industrial de transformação de plástico, que foi o primeiro dirigente "a sugerir uma frente de direita para vencer a esquerda", logo após a sua eleição, em janeiro deste ano.

"Apelei a que estes dois partidos [CDS-PP e PSD], atendendo ao histórico de parcerias e sendo eles o nosso aliado preferencial, pudessem desenvolver estratégias para unidos derrubar a esquerda nas maiores câmaras do país e, sobretudo, em todas aquelas que a esquerda governa", referiu aos jornalistas.

Francisco Rodrigues dos Santos sublinhou que o CDS-PP não anda a "reboque de artigos de jornal de líder de organizações políticas de juventude" e adiantou que o estabelecimento de acordos autárquicos está a "ser tratado do ponto de vista institucional por ambas as direções dos partidos".

O líder centrista mostrou-se esperançado de que os dois partidos vão chegar à conclusão que é "necessário um acordo para estabelecer sinergias e convergências com o PSD, com vista a derrotar a esquerda na maioria dos municípios de Portugal".

O presidente da JSD, Alexandre Poço, apelou aos presidentes do PSD, CDS-PP e Iniciativa Liberal para um acordo de centro-direita nas eleições autárquicas de 2021, sublinhando que o debate político está cada vez mais extremado e populista.

"Este acordo, que proponho e pelo qual lutarei dentro do meu partido, olha para as próximas autárquicas como as primeiras eleições - e por isso, as mais fundamentais - em que vamos a jogo num clima extremado, populista e perigoso", escreve Alexandre Poço, numa carta aberta dirigida a Rui Rio, Francisco Rodrigues dos Santos e João Cotrim Figueiredo e divulgada hoje pelo jornal I.

Na carta, o líder da JSD sublinha a "mudança acelerada em que o sistema partidário português se encontra", dizendo que esta transformou o debate político "numa discussão extremada e populista, onde parece prevalecer quem grita mais alto ou quem insulta com mais intensidade os adversários".

"O bom senso e a moderação não têm tido dias fáceis. Os populistas ganham força, contaminam o debate com soluções simples e miraculosas para problemas complexos", insiste Alexandre Poço.

Recomendadas

Patrocinado

Apoio de