Marcelo aponta educação, pobreza e economia como desafios de Portugal

O Presidente da República fez um retrato da atual situação do país.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, apontou esta quarta-feira a melhoria da educação, o combate às desigualdades e à pobreza e o crescimento duradouro da economia como problemas e desafios de Portugal.

Num encontro com estudantes universitários, no Palácio D'Accursio, sede do município de Bolonha, no final da sua visita de Estado a Itália, Marcelo Rebelo de Sousa fez um retrato da situação atual de Portugal, indicando "pontos positivos" e "pontos negativos".

"Temos alguns problemas. Em matéria de educação, apesar do avanço em democracia, ainda temos desigualdades muito grandes. Temos centros de excelência muito bons, mas precisamos de melhorar a educação. Temos centros de excelência na ciência, mas precisamos de alargar os centros de excelência. Depois, temos pequenos problemas de disciplina e de sistematização", disse.

O chefe de Estado reforçou a ideia de que Portugal tem "problemas de educação" e "problemas de coesão social", territoriais e entre gerações, considerando que "há ainda desigualdades que puxam todos para baixo, que são um limite ao progresso do país".

"É um facto, isto. Melhorou imenso em democracia, na saúde, na mortalidade, na saúde infantil, no acesso à educação, na segurança social, na solidariedade social, é impressionante. Mas não chega", acrescentou.

Mais à frente, apontou o crescimento económico como outro dos desafios que Portugal enfrenta: "Um desafio concreto é o de assegurar que temos capacidade de fazer crescer a nossa economia de forma duradoura. Não é fácil, uma economia aberta, muito aberta, em que muitos centros de decisão não são portugueses ou não são só portugueses".

"Depois, repartir melhor a riqueza nacional, corrigir melhor as desigualdades. Combater o que existe de pobreza, que melhorou, nos últimos anos, mas melhorou numa percentagem ainda pequena. Estamos a falar de cerca de dois milhões de pessoas em risco de pobreza ou em pobreza, para um milhão e quinhentos ou um milhão e 600 mil", prosseguiu, observando: "É muito, em 10 milhões". "Ainda é muito, temos de melhorar", insistiu Marcelo Rebelo de Sousa, embora ressalvando que a pobreza atual em Portugal "claro que não tem comparação com a pobreza de há 10 anos, 20 anos, 30 anos, 40, 50 anos".

O Presidente da República defendeu que Portugal precisa, ao mesmo tempo, de ir "mais longe" em matéria científica e tecnológica, e reiterou, uma vez mais, a preocupação com a educação, apontando a intervenção na União Europeia como outra prioridade.

"Temos de saber melhorar a nossa educação. Manter uma posição forte na Europa - e a presidência portuguesa da União Europeia no primeiro semestre de 2021 é uma oportunidade. E ligar a Europa a África, porque uma parte da Europa não compreende África, aliás, não compreende o resto do mundo e tem de compreender mais", sustentou.

O chefe de Estado admitiu que "são muitas exigências simultâneas", mas manifestou-se convicto de que Portugal tem "condições para o fazer", e também mencionou como outro desafio "valorizar ainda mais" as comunidades portuguesas no estrangeiro.

"São desafios que têm de ser enfrentados", afirmou, antes de responder a perguntas dos alunos da Universidade de Bolonha, com quem esteve mais de uma hora e meia à conversa.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados