"Não pedi para sair." Jamila Madeira "muito surpreendida" com saída do Governo

A agora ex-secretária de Estado Adjunta e da Saúde diz sair de "consciência tranquila" do ministério da Saúde.

A ex-secretária de Estado Adjunta e da Saúde, Jamila Madeira, garante que não pediu para sair do cargo e diz ter ficado "muito surpreendida" com a decisão da ministra da Saúde, Marta Temido, de substituí-la.

Esta quarta-feira, no que foi uma pequena revolução governamental, Jamila Madeira deixou o cargo que ocupava - e que a viu tornar-se numa das caras da luta contra a pandemia de Covid-19 - no ministério da Saúde, sendo substituída pelo até aqui secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales.

"Não pedi para sair", garante numa resposta enviada à TSF em que admite ter ficado "muito surpreendida com a opção da senhora ministra".

"Saio de consciência tranquila de missão cumprida com a certeza de que fiz tudo o que estava ao meu alcance num ano particularmente inédito!", acrescenta ainda a agora ex-secretária de Estado.

Na mesma mensagem, Jamila Madeira diz fazer votos para que o Governo liderado por António Costa - com quem dizer ter "muito orgulho" em ter trabalhado - "continue a correr pelo melhor".

Contactado pela TSF, o ministério da Saúde não quis tecer qualquer comentários às palavras de Jamila Madeira.

Bastonário dos médicos estranha saída

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, considera que a saída de Jamila Madeira não vai mudar a dinâmica do ministério da Saúde e confessa que, embora a saída lhe cause alguma estranheza, os seus principais interlocutores no ministério da saúde são a ministra Marta Temido e o secretário de Estado António Lacerda Sales.

"Como médico e bastonário não tive, a não ser pontualmente, uma relação especial com a doutora Jamila Madeira em termos institucionais", explica.

O trabalho de Jamila Madeira "é mais escondido, mais nos gabinetes e tem muito a ver com a questão dos financiamentos", pelo que o contacto foi pouco. "Parece-me estranha a saída dela, honestamente, mas provavelmente terá a ver com questões de organização interna ou eventualmente de relações de trabalho das pessoas."

Jamila Madeira, antiga líder da Juventude Socialista, eurodeputada e dirigente do PS, saiu das funções de secretária de Estado Adjunta e da Saúde, cargo que passa a ser desempenhado por António Sales, que sobe assim na hierarquia da equipa liderada pela ministra Marta Temido.

Recomendadas

Patrocinado

Apoio de