"O seu êxito será o nosso êxito." Moreira da Silva não descarta ir a votos no futuro

O candidato derrotado felicitou Luís Montenegro, mas não abdica do seu "plano para Portugal".

Derrotado nas eleições diretas do PSD, Jorge Moreira da Silva felicita Luís Montenegro "por vitória expressiva" e afirma que já falou com o novo líder social-democrata.

Ainda assim, assume que não dificultará o trabalho do novo presidente do PSD: "O seu êxito será o nosso êxito."

"Os militantes do PSD podem continuar a contar comigo. Os portugueses e os militantes conhecem-me. Eu contribuirei para a unidade do PSD e daremos todas as condições a Luís Montenegro para liderar o PSD com a sua moção e a sua equipa. Mas tendo eu um plano para Portugal, não me peçam para dele abdicar", avisa Moreira da Silva.

Jorge Moreira da Silva garante que não sairá do partido "ajudando o partido, para Portugal deixe de estar onde está". "Não me conformo", exclama.

"Vou dar o meu contributo para unidade do partido, porque ter ideias próprias contribui para unidade do partido. A autonomia, a complementaridade, a diversidade, a genuinidade é um elemento essencial, o que engrandece o partido", defende Jorge Moreira da Silva.

Moreira da Silva não descarta ir a votos no futuro

Apesar da derrota, Jorge Moreira da Silva considera que, depois de ler os resultados nas regiões por onde passou, "o mérito das minhas ideias foi reconhecido".

Sobre o futuro, o social-democrata diz que "irá continuar a lutar pelo país", não descartando voltar a candidatar-se às eleições do partido.

"O PSD vive um problema estrutural"

Depois de agradecer aos apoiantes, "que estão espalhados pelo país", o candidato derrotado lamenta ter começado tarde a campanha e de ter enfrentado um "contexto adverso".

"Eu não podia deixar de estar presente, quando o PSD vive um problema estrutural", atira.

Jorge Moreira da Silva conta que "quis fazer uma campanha que dignificasse o papel dos militantes, porque o partido é deles e não dos dirigentes".

"Quando avancei, sabia perfeitamente que estava a luta contra uma probabilidade", diz Moreira da Silva, citando Francisco Sá Carneiro para justificar a candidatura: "Não me perdoaria."

O candidato derrotado considera que fez "uma campanha a valorizar as ideias" e repete que "é importante refundar o partido", levando à modernização do PSD.

Moreira da Silva realça ainda os mais de 300 jovens voluntários que "galvanizaram a candidatura" e lembra a indisponibilidade da "outra candidatura" para a realização de debates.

LEIA AQUI O ESSENCIAL DA NOITE DE ELEIÇÕES NO PSD

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de