"Se calhar vão arrepender-se." IL alerta para consequências da maioria absoluta

Cotrim de Figueiredo alerta que o PS vai poder aprovar e recusar propostas "venham de onde vierem" sem ter de "dar satisfações a ninguém".

O presidente da Iniciativa Liberal afirmou esta quarta-feira que o partido vai propor a reintrodução dos debates quinzenais para reforçar o escrutínio da maioria absoluta do PS, alertando que "se calhar muitos portugueses se arrependerão" de ter dado o seu voto ao partido.

"Teria sido uma excelente legislatura para fazer reformas de fundo, mas vamos ter um PS com maioria absoluta e não tem primado propriamente pela vontade de reformas de fundo", afirmou João Cotrim Figueiredo, no final da audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que conclui esta tarde a ronda com os oito partidos que conseguiram representação parlamentar nas legislativas de domingo, tendo em vista a indigitação do primeiro-ministro.

Aos jornalistas, o deputado deixou algumas das prioridades do partido, que passou de um para oito deputados, na próxima legislatura, que salientou poder ser a mais longa de sempre, dizendo já ter ficado pré-agendado novo encontro com o chefe de Estado para meados de março, já com "novos dados sobre a composição e o programa de Governo".

"Há dados que para nós já são claros, alguns resultarão em iniciativa política: em primeiro lugar, uma maioria absoluta tem de dar lugar a um escrutínio político ainda mais apertado no parlamento", afirmou, dizendo que o partido irá propor a reintrodução "de imediato" dos debates quinzenais.

A IL irá também propor o reforço do escrutínio da aplicação dos fundos estruturais e quer rever também a lei eleitoral, de forma a revisitar matérias como os círculos eleitorais (introduzindo os uninominais com um de compensação), o fim do dia de reflexão ou a forma votação dos portugueses no estrangeiro.

"Vamos apresentar logo que tome posse a Assembleia da República um projeto de nova lei de bases de saúde que contemple uma reforma profunda do SNS. Se o PS está disponível ao diálogo e deixou de depender da extrema-esquerda, virá certamente a jogo", desafiou, ainda.

Muitos se arrependerão do seu voto

Sobre a oposição ao Governo e a conquista de votos, Cotrim de Figueiredo defendeu que os votos na IL vêm de "novos votantes e abstencionistas de longa data", mas também da "fação jovem da esquerda", aconselhando os outros partidos a fazerem o seu "trabalho nas eleições".

Em relação à maioria absoluta do PS, o liberal disse acreditar que "se calhar muitos portugueses se arrependerão" do seu voto quando os socialistas puderem aprovar e recusar propostas "venham de onde vierem" sem ter de "dar satisfações a ninguém".

"É uma tentativa de ganhar hegemonia que não beneficia, como se tem visto, o país", avisou, refletindo que o papel do Presidente da República "não é fácil" perante o atual cenário político, mas acreditando que Marcelo "nunca exercerá os seus poderes de maneira que criará instabilidade".

Bloqueio ao Chega?

Cotrim remeteu para a primeira reunião da bancada, esta quinta-feira, uma posição quanto a uma eventual vice-presidência do parlamento pelo Chega, mas afirmou que a IL não é "um partido como os outros".

Questionado sobre qual seria a posição do seu partido nesta matéria, depois de o secretário-geral do PCP ter hoje afirmado que "não será com os votos" da bancada comunista na Assembleia da República que o Chega vai conseguir eleger um vice-presidente.

Cotrim Figueiredo começou por dizer que iria "responder em português", numa ironia pelo facto de o presidente do PSD, Rui Rio, ter optado por responder em alemão a um jornalista na noite eleitoral.

"Vamos reunir amanhã [quinta-feira] pela primeira vez o grupo parlamentar de oito deputados. Eu tenho a minha opinião, que vou partilhar com eles e que penso que será acolhida e nesse caso terei todo o gosto em partilhar convosco. Mas posso adiantar que não somos propriamente um partido como os outros, como a nossa história recente já prova", afirmou.

Cotrim Figueiredo confirmou ainda que a IL irá apresentar, como tem direito, um candidato à vice-presidência do parlamento, remetendo também para a reunião de quinta-feira a divulgação de quem será.

De acordo com uma notícia do semanário Expresso, publicada na terça-feira, a maioria de esquerda no parlamento poderá impedir a eleição de um vice-presidente do Chega, terceira força política durante a próxima legislatura.

O artigo 23.º do Regimento da Assembleia da República estabelece que cabe a cada um dos quatro maiores grupos parlamentares propor um dos vice-presidentes da Mesa e aos partidos com um décimo ou mais dos deputados propor pelo menos um secretário e um vice-secretário.

Nos termos do mesmo artigo, "consideram-se eleitos os candidatos que obtiverem a maioria absoluta dos votos dos deputados em efetividade de funções".

"Se algum dos candidatos não tiver sido eleito, procede-se de imediato, na mesma reunião, a novo sufrágio" para o respetivo lugar, sendo que, estando "eleitos o presidente e metade dos restantes membros da Mesa, considera-se atingido o quórum necessário ao seu funcionamento".

LEIA AQUI TUDO SOBRE AS LEGISLATIVAS 2022

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de