Serviços mínimos? "Algumas medidas parecem-me claramente exageradas"

A coordenadora do Bloco de Esquerda concorda que têm de ser tomadas medidas, mas explica que "face às necessidades" há medidas "claramente exageradas".

Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, considera que o Governo pode estar a pecar por excesso em algumas das medidas que anunciadas como sendo para "para proteção dos portugueses".

A líder bloquista gostaria de ver todas as partes envolvidas mais empenhadas na procura de uma solução para o problema dos motoristas, já que, diz, têm sido focadas atenções em pontos menos relevantes e não na resolução do problema.

"O Governo terá de fazer o que for fundamental para o país funcionar em setores essenciais e compreendo que haja medidas fundamentais que têm de ser tomadas num setor tão sensível, mas devo dizer também que vejo algumas medidas que me parecem claramente exageradas face às necessidades", explicou Catarina Martins em declarações aos jornalistas.

A coordenadora do Bloco realça que tem "visto toda a gente com muita vontade de ver uma crise e poucas pessoas concentradas no que importa: garantir que estes trabalhadores têm um contrato coletivo de trabalho segundo o qual a sua remuneração é digna, com descontos para a Segurança Social para acautelar a sua carreira contributiva".

"Em vez de estarmos a criar crise, era bom estar toda a gente a fazer a negociação necessária para a solução do problema", reitera.

O Governo já reafirmou que está disponível para mediar o conflito entre motoristas e patrões, mas sublinhou que devem ouvir os portugueses e fazer o possível para evitar uma situação de conflito que tenha riscos de efeitos colaterais.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados