Chuva forte e granizo em Chaves danificam edifícios e culturas agrícolas

Vários estabelecimentos comerciais sofreram com inundações do rio Tâmega.

O mau tempo que se fez sentir em Chaves na terça-feira à noite causou danos na agricultura, inundações em estradas, em edifícios públicos e privados, disse o presidente da câmara.

"Tivemos uma intensa trovoada de verão, com chuva muito intensa e queda de granizo durante alguns minutos", explicou o autarca de Chaves, no distrito de Vila Real, Nuno Vaz.

Ao início da noite de terça-feira, choveu mais em Chaves durante uma hora e meia do que em média choveu durante todo o mês de agosto nos últimos anos, disse ainda.

A chuva forte levou a 17 ocorrências por inundações, quer em habitações ou estabelecimentos comerciais quer em edifícios públicos.

Nuno Vaz explicou que o pavilhão Expoflávia sofreu a queda de placas internas, o arquivo municipal corrente teve uma inundação de água de 20 centímetros e o edifício do serviço de águas teve também uma inundação na zona do arquivo.

"Não sabemos ainda a dimensão e os prejuízos económicos, mas esta situação veio agravar aquela já vivida no concelho nos últimos 15 dias, com dois incêndios, um deles muito relevante", destacou.

No centro da cidade, junto à ponte romana e ao rio Tâmega, vários estabelecimentos comerciais sofreram com as inundações.

Segundo Leopoldina Abreu, proprietária de um comércio de material de pesca, recordações e ferramentas, a água entrou no estabelecimento durante a noite.

"Entrou água, lama e terra na loja e atingiu algumas caixas de cutelarias. A rua onde estamos devia ser arranjada, pois tem uma lomba ao meio e desce nas laterais e a água entra nos edifícios", explicou.

Para o presidente da Câmara de Chaves, o trabalho das corporações dos bombeiros do concelho permitiu resolver rápido as ocorrências e "evitar consequências negativas".

Granizo danificou campos agrícolas

Fora da zona urbana, vários terrenos agrícolas sofreram com a queda de granizo, causando prejuízos em culturas como o milho, batata, uvas ou quivis.

Berlarmino Magalhães viu as suas culturas serem destruídas devido à queda de grandes pedras de gelo.

"O prejuízo foi grande. Na horta os pimentos ficaram mesmo esburacados com as pedras de gelo, mas estragou-se também o feijão-verde e os tomates", realçou, acrescentando que o seu terreno com cultura de milho também ficou destruído.

Nos terrenos à volta da sua habitação era possível ver ainda, por volta das 12:00, pedras de gelo resultantes da queda de granizo.

Para o autarca de Chaves, a intempérie agrava ainda "o sentimento de alguma desolação" que já existia por causa da pandemia e "tem impacto negativo na comunidade".

"Fenómenos da natureza como estes acontecem cada vez com mais frequência. Teremos todos que salvaguardar mais e melhor este tipo de consequências, tendo seguros que cubram este tipo de prejuízos", frisou Nuno Vaz.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de