Gaia negoceia para que moradores da beira-rio paguem teleférico a preço Andante

Presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia admitiu que a "ambição antiga da autarquia" teve de "aguardar" que "estabilizasse a discussão do Programa de Apoio à Redução Tarifária".

A Câmara de Gaia vai retomar as negociações para que os moradores da beira-rio usufruam de viagens de teleférico equiparadas ao custo do Andante, uma ideia lançada em 2017 que não chegou a concretizar-se, indicou esta segunda-feira o presidente.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, admitiu que a "ambição antiga da autarquia" de que os moradores da beira-rio de Vila Nova de Gaia pudessem aceder à zona mais alta da cidade via teleférico, pagando um valor menor face ao atual preço turístico, teve de "aguardar" que "estabilizasse a discussão do PART [Programa de Apoio à Redução Tarifária]" na Área Metropolitana do Porto [AMP], mas garantiu que "está em curso nova negociação".

"Acredito que [os moradores] vão ter viagens com o custo de validação do Andante. Estou convencido disso, mas não escondo que baixei a guarda durante este tempo, porque o foco foi outro e não queria meter entropia num processo que, já de si, foi complexo. Mas é um assunto para voltarmos", disse Eduardo Vítor Rodrigues.

Em julho de 2017, a Câmara de Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, anunciou medidas que integravam o Programa Experimental de Mobilidade Integrada, entre as quais a criação de um passe mensal para moradores da zona ribeirinha.

O objetivo era que estes pudessem aceder à cota alta da cidade via teleférico para, por exemplo, fazerem a travessia de metro para o Porto a partir do Jardim do Morro, evitando o trânsito e os percursos longos feitos pelas carreiras atuais.

"O município - depois de fechado o dossiê PART que nos últimos dois anos foi o grande foco da AMP e que inclui os passes sociais e passes família - vai voltar à discussão, porque os moradores do Centro Histórico beneficiariam muito. Aos turistas não aquece nem arrefece, mas o operador aumenta o lote de clientes", disse Eduardo Vítor Rodrigues.

O autarca argumentou que, "se tiver em conta os meses de verão, até se pode dizer que o operador não ganha nada de novo porque a procura pelo teleférico é elevada", mas lembrou os "ganhos sazonais", acreditando num "acrescento de clientes nas épocas baixas".

"Eles têm de perceber que começam a ter receita que não têm de outra forma, porque as pessoas não usam. Mas, não se pode pedir que a câmara pague a diferença toda em relação aos preços atuais", disse Eduardo Vítor Rodrigues.

Atualmente os valores do teleférico de Gaia variam entre os seis e os nove euros para adultos, existindo preços especiais para crianças, famílias e escolas. O presidente da Câmara de Gaia quer que os moradores paguem o valor de uma viagem Andante, ou seja, 1,20 euros.

"A diferença de preço, comportada só pela câmara, seria brutal. Chegámos à conclusão que teríamos de fazer uma comparticipação muito grande, mas acredito que se chegará a um meio termo", completou Eduardo Vítor Rodrigues.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de