"Medidas serão tomadas contra dirigentes e familiares." Extrema-direita ameaça deputadas e SOS Racismo

A denominada "Nova Ordem de Avis - Resistência Nacional" quer que dez pessoas abandonem Portugal.

Um grupo de dez pessoas recebeu um e-mail de uma organização de extrema-direita a exigir que abandonassem o país no prazo de 48 horas. Entre os destinatários estão as deputadas do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua e Beatriz Gomes Dias e a deputada não-inscrita Joacine Katar Moreira. O líder do SOS Racismo, Mamadou Ba, também é um dos visados.

O e-mail, a que a TSF teve acesso, dá dois dias aos visados para abandonarem o território nacional. "Informamos que foi atribuído um prazo de 48 horas para os dirigentes antifascistas e anti-racistas incluídos nesta lista, para rescindirem das suas funções políticas e deixarem o território português."

A denominada "Nova Ordem de Avis - Resistência Nacional" ameaça com "medidas contra estes dirigentes e os seus familiares" caso o prazo seja ultrapassado e adianta que "o mês de Agosto será mês da luta contra os traidores da nação".

A ameaça chegou na noite de terça-feira aos dez destinatários, que incluem ainda sindicalistas.

"Sendo o prazo ultrapassado, medidas serão tomadas contra estes dirigentes e os seus familiares, de forma a garantir a segurança do povo português. O mês de Agosto será mês da luta contra os traidores da nação e seus apoiantes. O mês de Agosto será o mês do reerguer nacionalista", escrevem.

Deputadas apresentam queixa, Mamadou Ba já foi ouvido

A TSF sabe que o Bloco de Esquerda deu imediatamente conhecimento das ameaças à Polícia Judiciária (PJ), que já está a investigar o caso. As duas deputadas bloquistas vão apresentar queixa ao Ministério Público.

Em declarações à TSF, Mamadou Ba não tem dúvidas que se trata de uma campanha reiterada por parte da extrema-direita.

"Isto tem que ver com a atuação do deputado André Ventura, que incentiva um discurso de ódio contra o ativismo antirracista. Não é uma surpresa que a extrema-direita violenta se sinta certificada em usar métodos que sempre foram os seus: a coação, chantagem e terrorismo", afirma.

O ativista já foi ouvido pela PJ. Mamadou Ba lembra que as ameaças ocorrem poucas semanas depois da morte de Bruno Candé, assassinado com quatro tiros, em Loures.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de