Mulheres na PSP: no início nem sequer tinham casa de banho, agora também lideram

Muito mudou nos últimos anos, mas a carreira na polícia ainda é considerada "uma profissão de homens".

O comando metropolitano da PSP do Porto é liderado por mulheres. A superintendente Paula Peneda assumiu o cargo de comandante há um ano e a segunda comandante, a superintendente Maria dos Anjos Pereira, tomou posse há duas semanas. Também a divisão de trânsito está sob o comando de uma mulher, a subcomissário Cátia Moura.

Em declarações à TSF, estas mulheres contam como foi a evolução da sua carreira na Polícia de Segurança Pública, desde o tempo em que não havia sequer casas de banho exclusivamente femininas.

"No início, não tínhamos instalações sanitárias. A minha colega de curso tinha de ficar a guardar a porta", recorda a superintendente Maria dos Anjos Pereira.

Apesar de esta continuar a ser uma vocação "mais conotada como uma profissão de homens", a segunda comandante da PSP do Porto considera que nos dias que correm "já não faz sentido" falar em disparidades de género na PSP.

No domingo, o Ministério da Administração Interna (MAI) disse que vai incluir nas regras de recrutamento em 2021 indicadores mínimos de 15% de mulheres na incorporação para guardas da GNR e de 20% para agentes da PSP.

O Dia Internacional da Mulher assinala-se esta segunda-feira em todo o mundo.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de