Portugal com um concelho em risco extremo e sete em risco elevado de infeção por Covid-19

Barrancos é o único concelho em risco extremo de infeção, com 1171 casos por cem mil habitantes.

Portugal volta a ter esta sexta-feira um concelho em risco extremo de infeção pelo vírus SARS-CoV-2 e sete em risco muito elevado, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgado esta sexta-feira.

O risco extremo de infeção verifica-se quando um concelho tem uma incidência cumulativa a 14 dias acima dos 960 casos de infeção por 100 mil habitantes.

No boletim da última sexta-feira dia em que são comunicados os valores dos concelhos, Portugal tinha deixado de ter municípios em risco extremo de infeção, o que já não acontecia desde o início de julho.

Hoje o relatório das autoridades revela que está neste patamar o concelho de Barrancos com 1171 casos na análise referente à incidência cumulativa a 14 dias entre 09 e 22 de setembro.

Na nota explicativa dos dados por concelhos é referido que a incidência cumulativa "corresponde ao quociente entre o número de novos casos confirmados nos 14 dias anteriores ao momento de análise e a população residente estimada".

Em risco muito elevado, ou seja, com uma incidência de entre 480 e 959,9 casos por 100 mil habitantes, estão sete concelhos: Albufeira (489), Alcoutim (674), São Brás de Alportel (501), Celorico da Beira (519), Penela (594), Povoa de Lanhoso (489) e Vidigueira (566).

Entre ao 240 e os 479,9 casos por 100 mil habitantes a 14 dias o boletim relata a existência de 19 concelhos nessas condições, menos 18 do que na última análise.

Segundo o boletim, entre os 120 e os 239,9 casos por 100 mil habitantes a 14 dias estão 78 concelhos, menos 35 do que na semana anterior.

Com zero casos de infeção no período entre 09 e 22 e setembro estão 17 dos 308 concelhos: Alter do Chão, Lajes das Flores, Lajes do Pico, Porto Santo, Povoação, Santa Cruz das Flores, S. João da Pesqueira, Calheta (Açores), Miranda do Douro, Nordeste, São Vicente, Oleiros, Velas, Vila de Rei, Vila Velha de Rodão, Vila do Porto e Vimioso.

Portugal registou nas últimas 24 horas nove mortes atribuídas à Covid-19, 757 novos casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2 e uma redução nos internamentos em enfermaria.

De acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), estão hoje internadas 410 pessoas com Covid-19, menos duas do que na quinta-feira, 76 das quais em unidades de cuidados intensivos, mais uma do que na véspera.

As mortes ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo (2), na região Centro (4), no Alentejo (2) e no Algarve (1).

Relativamente às idades das vítimas mortais, cinco tinham mais de 80 anos, três entre os 70 e os 79 anos e uma entre os 40 e os 4 anos.

A taxa de incidência de infeções com SARS-CoV-2 nos últimos 14 dias voltou a descer hoje quer no continente quer a nível nacional, enquanto os valores do índice de transmissibilidade registaram um aumento.

A nível nacional, a taxa de incidência desceu de 137,4 para 127,3 casos por 100 mil habitantes, segundo o boletim epidemiológico conjunto da Direção-Geral da Saúde e do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge divulgado hoje.

Em Portugal continental, este indicador desceu de 140,1 para 129,7.

O Rt - que estima o número de casos secundários de infeção resultantes de cada pessoa portadora do vírus, registou uma subida desde quarta-feira, passando de 0,82 para 0,83 a nível nacional e de 0,81 para 0,82 em Portugal continental.

Os dados do Rt e da incidência de novos casos por 100 mil habitantes a 14 dias - indicadores que compõem a matriz de risco de acompanhamento da pandemia - são atualizados pelas autoridades de saúde à segunda-feira, à quarta-feira e à sexta-feira.

A Covid-19 provocou pelo menos 4.725.638 mortes em todo o mundo, entre 230,52 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 17.947 pessoas e foram contabilizados 1.065.633 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de