Produtores de sal tradicional defendem que selo de biológico não é para todos

Afirmam que a Comissão Europeia está prestes a fazer passar uma legislação que coloca em risco o ambiente, a saúde e a economia do sal tradicional na União Europeia.

Os produtores de sal tradicional garantem que a Comissão Europeia trabalha sobre um documento que prevê atribuir o selo biológico a sal que é produzido por más práticas ambientais. A discussão será feita esta terça-feira em Bruxelas e os produtores de sal tradicional pretendem que os responsáveis pela agricultura em Portugal defendam os seus interesses e rejeitem a proposta.

O processo já leva cerca de dois anos. Tudo começou com o pedido da Comissão Europeia a quatro peritos de Portugal, França, Espanha e Alemanha para opinarem sobre o que deveria ser considerado sal produzido de forma biológica. Três deles (o português, o espanhol e o francês) elaboraram um documento sugerindo que devia ser considerado biológico o sal produzido nas salinas tradicionais e algum sal industrial, retirando desse conjunto o sal de mina e aquele que é produzido em vácuo. Mas "o perito alemão não quis assinar esse relatório, e mesmo estando numa minoria conseguiu que se refletisse toda a sua proposta no relatório", diz.

Luís Rodrigues, produtor de sal e também vice-presidente da cooperativa Terras de Sal, conta que várias associações de Portugal, Grécia, Itália, França e Espanha, produtoras de sal tradicional, estão numa mesma luta para que o sal de mina ou produzido em vácuo não seja considerado biológico.

Segundo este produtor, o sal de mina utiliza explosivos para ser extraído e os industriais utilizam também aditivos para secar ou tornar o sal mais branco.

Os produtores de sal tradicional defendem que para ser biológico ele tem que ser produzido de forma concreta, "retirando a água do mar e fazendo o produto com energias sustentáveis, o sol e o vento".

Em Portugal, há salinas marinhas nas zonas do Algarve, Aveiro e Figueira da Foz e anualmente produz-se cerca de 8 a 10 mil toneladas de sal e 400 toneladas do produto premium, a flor de sal.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de