Regresso a Portugal. Voo de Marrocos no domingo e mais dois de Moçambique na próxima semana

A informação foi avançada à TSF pela secretária de Estado Berta Nunes.

A embaixada de Portugal em Rabat, Marrocos, anunciou esta sexta-feira que vai realizar-se no domingo um voo de repatriamento da TAP, de Marraquexe para Lisboa. Uma informação que já foi confirmada à TSF por Berta Nunes, secretária de Estado das Comunidades Portuguesas.

"O voo já está disponível para reservas e virá no dia 5 de dezembro, de Marraquexe. Tem mais de 160 pessoas a lista que foi entretanto consolidada pela nossa secção consular em Rabat. Mais de 160 portugueses que estavam em Marrocos e querem regressar ou outras situações de pessoas que se enquadram naquelas categorias de voos de regresso, como pessoas que têm estatuto de residência em Portugal", explicou à TSF Berta Nunes.

De Moçambique, os dois voos previstos já estão lotados, mas Berta Nunes garante que há mais dois novos voos confirmados.

"Para 8 e 9 de dezembro e 10 e 11 de dezembro. Iremos continuar a acompanhar a situação e a organizar os voos necessários para que todos os portugueses que queiram voltar a Portugal o possam fazer", acrescentou a secretária de Estado das Comunidades Portuguesas.

A embaixada portuguesa fez o anúncio na sua conta oficial na rede social Facebook. Segundo a embaixada, o voo realiza-se, no contexto da resolução do Conselho de Ministros de 27 de novembro, que define as medidas aplicáveis ao tráfego aéreo com destino e a partir de Portugal continental, "entre os quais os voos de natureza humanitária para efeito de repatriamento, atendendo a que vigora atualmente a suspensão de todos os voos diretos de passageiros com destino a Marrocos conforme decisão daquele país".

Ainda de acordo com a mesma nota "podem embarcar no voo" os cidadãos de nacionalidade portuguesa ou titulares de autorização de residência em Portugal, mas também nacionais de outros países da União Europeia e de Estados associados ao Espaço Schengen bem como membros das respetivas famílias.

Além destes, ainda podem viajar neste voo de repatriamento nacionais de países terceiros, mas com residência legal num Estado-membro da União Europeia, que estejam em trânsito para o país de origem ou para o de residência legal e pessoas em situações humanitárias.

A embaixada em Marrocos informa também que "não estão previstos outros voos de apoio desta natureza a partir de Marrocos, pelo que recomenda a todos os portugueses que queiram regressar a Portugal que aproveitem esta oportunidade".

A embaixada alerta que todos os passageiros, vacinados ou não contra a Covid-19, terão de apresentar um resultado do teste RT-PCR (ou NAAT semelhante) negativo, realizado até 72 horas antes da partida.

Como alternativa, os passageiros podem fazer um teste de antígeno (TRAg), realizado até 48 horas antes da partida. Porém, apenas são aceites testes antígenos reconhecidos pelo Comité de Segurança da Saúde da União Europeia para viagens, sublinha a representação diplomática de Portugal em Rabat.

Os portadores de Certificado Digital Covid da UE de recuperação (válido por 180 dias) também podem apresentá-lo como comprovativo, sendo uma das exceções às regras anteriores. A outra exceção são as crianças que não tenham completado 12 anos.

A embaixada realça ainda que os passageiros que tiverem estado em Moçambique, África do Sul, Botsuana, Essuatíni, Lesoto, Namíbia e Zimbabué nos 14 dias anteriores à sua chegada a Portugal devem cumprir um período de isolamento profilático de 14 dias à chegada, no domicílio ou em local indicado pelas autoridades de saúde.

A Covid-19 provocou pelo menos 5.233.111 mortes em todo o mundo, entre mais de 263,61 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.492 pessoas e foram contabilizados 1.157.352 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, foi recentemente detetada na África do Sul, tendo sido identificados, até ao momento, 19 casos em Portugal.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de