Um pedido fora do normal: pneumologistas querem aumento dos impostos do tabaco

Este é um pedido contrário ao que é normal: uma carta pelo aumento dos impostos sobre os produtos de tabaco e de nicotina.

É o pedido de sociedades médicas, especialistas em saúde pública e associações de doentes - todos pedem ao Governo e aos partidos com assento parlamentar que aumentem os impostos sobre o tabaco no orçamento de Estado para 2020 - mas até agora ninguém respondeu. Leia aqui a carta.

Em média, dois terços do preço do tabaco já são impostos, mas os especialistas em saúde pública garantem que não chega, "sobretudo quando os aumentos não são generalizados nem substanciais, de forma a desmotivar o consumo", afirma à TSF Sofia Ravara.

Investigadora, dirigente da Sociedade Portuguesa de Pneumologia e membro da European Respiratory Society, Sofia Ravara explica que já no ano passado foram enviadas cartas do mesmo teor, tanto aos partidos com assento parlamentar como "ao gabinete do ministro das finanças". Mas ninguém respondeu, exceto para confirmar a receção da mensagem.

Sofia Ravara tem uma explicação para esta resistência do poder político a um aumento dos impostos nos produtos de tabaco: "A Tabaqueira faz lóbi direto e indireto, junto do Governo e dos deputados".

A investigadora recorda que depois de uma quebra no número de fumadores, países como os Estado Unidos e o Reino Unido assistem a novo crescimento das pessoas dependentes do tabaco, sobretudo entre os mais novos, "deixaram de fumar tabaco convencional, mas passaram a usar os novos produtos, como os dispositivos para tabaco aquecido ou os líquidos", no essencial porque tem sido essa a grande aposta no marketing das tabaqueiras.

Quanto às propostas do Governo no orçamento de Estado para o ano que vem, "do que se percebe da discussão na especialidade, tem passos positivos mas insuficientes". Sofia Ravara concorda com o aumento previsto dos impostos sobre o tabaco aquecido, mas insiste que o aumento tem de ser generalizado, "não pode haver concorrência entre as marcas", e consistente, ou seja, de forma a desmotivar os consumidores.

A Organização Mundial de Saúde tem vindo a defender que o aumento do preço do tabaco, através do aumento dos impostos, é uma arma essencial para defender a saúde pública.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de