America Countdown... 81 dias. Kamala e a sociedade fragmentada

America Countdown... 81 dias. Kamala e a sociedade fragmentada

1 - A MELHOR ESCOLHA PARA VICE. Era a escolha mais forte e mais provável. Como escreveu Hillary Clinton, na reação à escolha de Biden, "ela já provou ser uma incrível servidora pública e uma líder inspiradora. Será uma parceira forte para Joe". Kamala Harris, senadora democrata da Califórnia desde 2017, ex-procuradora geral do estado mais populoso dos EUA, 55 anos, próxima de Barack Obama e ex-candidata nas primárias democratas, foi a (boa) decisão de Joe Biden para sua vice. Kamala ajudará Joe a fazer a ponte da área central e moderada à esfera mais esquerdista do Partido Democrata. Zangou-se com Joe no início das primárias mas isso já passou. Tem, genuinamente, uma boa relação com Biden e isso será fundamental nos próximos oitenta dias. Muitíssimo bem preparada (procurem no YouTube as audições que dirigiu no Senado na Comissão Mueller), a senadora Harris junta capacidade política a uma história pessoal que espelha a diversidade da América. É a primeira mulher negra a entrar num ticket presidencial nos EUA. A Foi uma grande escolha de Biden. Susan Rice não ofereceria tanta capacidade política, Karen Bass ou Keisha Lance Bottoms não tinham dimensão política nacional, Elizabeth Warren não era querida do movimento Sanders, Michelle Obama agravaria o "fantasma" do menor carisma do candidato em relação aos Obama. Mais relevante que tudo o resto: Kamala oferece ao ticket presidencial democrata a garantia de que, com um candidato a Presidente de 78 anos na tomada de posse, a vice tem preparação e força política suficientes para assumir a Presidência no segundo imediato a uma eventual necessidade. Há quem veja nela uma espécie de "versão feminina de Barack Obama": mistura de "coolness", mistura racial, carisma e muita capacidade política. Kamala é uma escolha potente para a vice-presidência.