Taremi ainda ganhou asas, mas o voo do FC Porto na Champions acabou mesmo

Veja o golo. Pontapé de bicicleta do iraniano não foi suficiente para virar a eliminatória a favor dos dragões.

O melhor ficou para o fim e, mesmo assim, não chegou. O FC Porto venceu, esta terça-feira, o Chelsea por 1-0 em Sevilha, com um golaço de Mehdi Taremi que promete correr o mundo do futebol, mas não conseguiu garantir um lugar nas meias-finais da Liga dos Campeões.

Sérgio Conceição apostou num meio-campo a três, com Grujic, Uribe e Sérgio Oliveira, regressado de castigo. Otávio deve surgir a partir do corredor esquerdo, com Marega a ser a referência de ataque. Nos ingleses, Thiago Silva, Kanté e Pulisic foram chamados ao onze inicial.

A perder a eliminatória por 2-0, o FC Porto escolheu entrar ao ataque na partida e conseguiu colocar pressão sobre a defesa montada por Tuchel, mas Pulisic mostrou, num contra-ataque rápido, que o Chelsea não contava passar o jogo todo a defender.

Grujic surgiu no meio-campo azul e branco para acrescentar, sobretudo, dimensão física. O sérvio que está emprestado pelo Liverpool ao FC Porto era um dos principais alvos das bolas paradas e, aos 18', conseguiu mesmo cabecear com perigo, mas viu a bola ser desviada a caminho da baliza.

Sérgio Oliveira, Uribe e Otávio formavam o resto do meio-campo portista. Os dois primeiros de uma forma mais assumida, com muita corrida com e sem bola, e Otávio de forma mais intermitente, partindo do corredor esquerdo para se juntar aos colegas do miolo.

Na frente, eram sobretudo Marega e Corona, no corredor direito, quem dava o que fazer aos centrais londrinos. E nas bancadas estava um velho conhecido dos portistas: Julen Lopetegui, atual treinador do Sevilha, assistia ao jogo.

A controlar o jogo mas sem conseguir criar perigo, o FC Porto voltou a ver-se em trabalhos perto dos 30' de jogo, quando perdeu a bola no meio-campo. Valeu Pepe, que resolveu uma situação em que a defesa portista estava numa inferioridade numérica de quatro para dois.

A melhor oportunidade de golo do FC Porto chegou pouco depois, quando Corona surgiu bem nas costas de Chilwell, rodou, recebeu dentro da grande área e optou por rematar de primeira. A bola saiu muito por cima.

Sem grande ação até ao intervalo, tornou-se evidente que o FC Porto tinha um problema no seu próprio meio-campo.

Com Grujic a descer no terreno para receber a bola entre Mbemba e Pepe, o Chelsea colocava quatro a cinco jogadores à saída da grande área portista. Resultado? Grujic bem podia procurar, mas fazer um passe que permitisse progressão era missão praticamente impossível.

Sérgio Conceição tinha algo em que pensar na pausa: controlava o jogo, mas pouco fazia com a bola. E ainda viu Sérgio Oliveira levar o primeiro cartão amarelo do jogo no primeiro minuto da segunda parte.

O Chelsea entrava melhor no segundo tempo e, aos 53', colocava-se muito perto do primeiro da partida. Chilwell surge pela esquerda e cruza para a entrada da pequena área, onde Pulisic falha a bola e um golo que era praticamente certo. Nem três minutos depois, Mason Mount surgia sozinho sobre o corredor esquerdo e obrigava Manafá a entrar em trabalhos.

A ver a equipa cada vez mais longe da baliza adversária, Sérgio Conceição chamou Taremi ao jogo para abdicar de Grujic. O iraniano não precisou de muito tempo para se mostrar: Corona surge sobre a direita, envia um balão para o interior da grande área e Taremi, junto da marca de penálti, cabeceou colocado. Mendy recolheu a bola.

Conceição esperou dez minutos e lançou mais três: Nanu, Evanílson e Luis Díaz. Saíam Manafá, Marega e Corona. Começava o assalto portista, com Nanu e Zaidu projetados nas alas e Taremi e Evanílson a rondar a baliza. Fábio Vieira também haveria de juntar-se ao derradeiro esforço portista. Saiu Sérgio Oliveira.

O melhor ficou para o fim: corria o minuto 90+3' quando Taremi aproveitou um cruzamento de Nanu a partir do flanco direito para, de bicicleta, fazer o 1-0 em Sevilha. Mas, e apesar das asas que o iraniano pareceu ganhar, o FC Porto saía mesmo da Liga dos Campeões.

Onze do Chelsea: Mendy, James, Azpilicueta, Rüdiger, Thiago Silva, Chilwell, Jorginho, Kanté, Pulisic, Mount e Havertz

Onze do FC Porto: Marchesín, Manafá, Mbemba, Pepe, Zaidu, Grujic, Sérgio Oliveira, Uribe, Otávio, Corona e Marega

O jogo é arbitrado pelo francês Clément Turpin, assistido por Nicolas Danos e Cyril Gringore. O VAR é François Letexier.

Suplentes do Chelsea: Kepa, Caballero, Alonso, Christensen, Abraham, Werner, Zouma, Giroud, Hudson-Odoi, Ziyech e Emerson

Suplentes do FC Porto: Cláudio Ramos, Diogo Leite, Loum, Luis Díaz, Taremi, Romário Baró, Toni Martínez, Evanilson, Nanu, Sarr, Fábio Vieira e Francisco Conceição

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de