Jogo de anca de Ricardo Horta adia festa do FC Porto e acaba com invencibilidade

Veja o golo. Dragões perderam a hipótese de serem campeões já esta segunda-feira e voltaram a ser derrotados, 58 jogos depois.

Quando Ruiz apareceu isolado sobre o lado direito do ataque do SC Braga e olhou para Ricardo Horta, deu-lhe a bola mas nunca imaginaria que o português usasse o que tinha mais à mão para finalizar. No caso, a anca. Mas foi precisamente isso que aconteceu e, com esse a ser o único golo marcado na partida, os bracarenses derrotaram mesmo o FC Porto num dia em que os dragões até podiam ter sido já campeões e em que perderam o recorde de invencibilidade conseguido até aqui: foram 58 jogos sem conhecer o sabor da derrota.

Com este resultado, o SC Braga soma 59 pontos e garante um lugar na Liga Europa, somando mais 11 do que o Gil Vicente. Já o FC Porto adia por pelo menos uma semana a conquista do título de campeão nacional, independentemente do resultado que o Sporting consiga esta noite, no Bessa.

Com a celebração da conquista do campeonato a poder estar a poucas horas de distância, Sérgio Conceição optou por não mexer no onze: Pepê assumiu-se novo dono e senhor da lateral direita do FC Porto e Grujic repetiu a titularidade como médio mais defensivo do meio-campo azul e branco. No SC Braga, Carvalhal optou por montar um meio-campo a três, com Castro, Al Musrati e André Horta a jogarem nas costas de Ricardo Horta e Ruiz.

Numa primeira parte muito disputada, mas com poucas oportunidades de golo, foi preciso esperar até aos 40' para haver agitação nas bancadas da Pedreira: Ricardo Horta viu-se com espaço no corredor central e, de primeira, atirou em jeito. Diogo Costa voou, mas acabou por ser a trave a salvar os dragões. Três minutos depois, foi mesmo o guarda-redes português quem teve de ir ao socorro da sua defesa: Ruiz furou pelo meio e, perante o guardião, esbarrou numa autêntica parede.

Contas feitas, 0-0 ao intervalo. No regresso ao relvado para a segunda parte, Sérgio Conceição optou por abdicar de Evanílson para lançar João Mário. Começava bem para o FC Porto, que aos 51' viu Pepê rematar à entrada da grande área, obrigando Matheus a voar para evitar o primeiro da tarde. Viria a ser uma defesa de ouro.

Na jogada seguinte, aos 54', Abel Ruiz recebeu de Al Musrati, correu até à área do FC Porto e cruzou para Ricardo Horta, que marcou como conseguiu, numa finalização que acabou por ser feita com a anca.

Conceição reagiu pouco depois: Grujic, Zaidu e Pepê deram o lugar a Wendell, Toni Martínez e Galeno. E fez all-in aos 70': Francisco Conceição para o lugar de Fábio Vieira. Carvalhal respondeu com Vitinha a entrar para o lugar de Ruiz e Lucas Mineiro para o de André Horta.

Esta batalha dos bancos foi mesmo vencida por Carlos Carvalhal, que segurou a vantagem mínima até aos 90+4' e, pelo meio, ainda viu Vitinha ter nos pés o 2-0.

Onze do SC Braga: Matheus, Yan Couto, Tormena, Paulo Oliveira, David Carmo, Al Musrati, André Horta, Castro, Rodrigo Gomes, Ricardo Horta e Abel Ruiz

Onze do FC Porto: Diogo Costa, Pepê, Mbemba, Pepe, Zaidu, Grujic, Vitinha, Otávio, Fábio Vieira, Taremi e Evanílson

Suplentes do SC Braga: Tiago Sá, Lucas Mineiro, Gorby, Fabiano, André Ferreira, Moura, Bruno Rodrigues, Falé e Vitinha

Suplentes do FC Porto: Marchesín, Fábio Cardoso, Marcano, Francisco Conceição, Galeno, Wendell, João Mário, Toni Martínez e Eustáquio

O jogo foi arbitrado por Hugo Miguel, assistido por Ricardo Santos e Nuno Pereira. No VAR esteve Fábio Melo

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de