O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes

"Não consigo entender porque é que a palavra lítio se transformou num palavrão"

Numa altura em que meio mundo olha para as conclusões da COP26 com desconfiança, na Entrevista TSF/JN, o ministro do Ambiente sustenta que a liderança da transição ambiental não pode cair na rua e aponta a mobilidade como um dos pontos mais frágeis para o cumprimento de metas em Portugal. Evita falar no ciclo que se segue às eleições de 30 de janeiro, mas considera essencial que PCP e BE paguem nas urnas "as consequências do chumbo" do OE.

António e Amélia Barbosa




(Rui Manuel Fonseca/Global Imagens)

António e Amélia guardam o Caminho de Santiago à espera de peregrinos que não chegam

Amélia e António Barbosa, de 83 e 85 anos, guardam o Caminho de Santiago, que lhes passa à porta em São Romão de Neiva, Viana do Castelo. Há quatro anos, a Junta de Freguesia incumbiu-os de carimbar as credenciais dos peregrinos que, até à pandemia, passavam aos magotes a cerca de 50 metros de sua casa na Travessa das Minas. Desde aí, o casal de octogenários já assentou o carimbo na credencial de cerca de 10 mil pessoas (números da autarquia) e viveu estórias que "dão para rir e para chorar" com gente vinda de todo o Mundo. "Há pessoas que passam aqui, que nós temos dificuldade em as compreender. E apenas por gestos conseguimos chegar lá", conta António Barbosa, homem culto e respeitado na freguesia, que se orgulha da missão que lhe foi pedida. "É sempre muito gratificante receber aqui pessoas que a gente nunca viu, que nunca encontramos. É a primeira vez e última", comenta.