NASA confirma existência de água na Lua

A presença de H2O foi detetada através de ondas infravermelhas.

A NASA prometeu uma "excitante nova descoberta sobre a Lua", e revela agora que existe água na superfície lunar. Após dois anos de estudos, com recurso ao observatório da agência norte-americana instalado num Boeing 747, a NASA detetou água molecular no satélite terrestre.

"A SOFIA detetou moléculas de água na Cratera Clavius, uma das maiores crateras visíveis da Terra, localizada no hemisfério sul da Lua. Os dados revelam água em abundância em cerca de cem a 412 partes por milhão", lê-se em comunicado.

Os cientistas admitem que cerca de 40 mil quilómetros quadrados da superfície lunar têm capacidade para acolher água.

O Observatório para a Astronomia Infravermelha (SOFIA, na sigla em inglês) estudou, pela primeira vez, a superfície da Lua. Em conferência de imprensa, Naseem Rangwala, cientista da NASA, explicou que tudo surgiu através de um teste. "É incrível", afirmou.

A quantidade de água é cem vezes inferior à do deserto do Saara, ainda assim, a descoberta pode ser importante para as próximas viagens à Lua. A NASA revelou que quer enviar a primeira mulher ao satélite natural da Terra em 2024, na antecâmara de viagens a Marte, programadas para 2030.

"Quando os astronautas da Apollo regressaram da Lua, em 1969, pensava-se que esta estava completamente seca. As missões orbitais nos últimos 20 anos, como o satélite de observação, confirmaram o gelo em crateras sem a presença de luz", recordam.

Os cientistas explicam que a água deverá chegar à superfície lunar através de outros agentes, sendo armazenada nas zonas de gelo.

Estudos anteriores já admitiam a presença de água na superfície lunar, sem especificar se era H2O ou outros químicos idênticos, como a Hdroxila (HO).

A descoberta levanta questões sobre os recursos relevantes para a exploração do espaço. Os resultados foram publicados na revista Nature Astronomy.

Recomendadas

Patrocinado

Apoio de