"A preocupação com os interesses políticos nacionais impediu uma resposta pandémica coordenada" na UE

Os especialistas consideram que os interesses individuais dos diferentes países sobrepuseram-se muitas vezes a respostas mais amplas à escala da União, um sinal da fraca posição do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças e da Direção-Geral de Saúde e Segurança Alimentar.

A União Europeia (UE) não conseguiu dar uma resposta coordenada na primeira vaga da pandemia da Covid-19, segundo a avaliação de especialistas em saúde pública que consideraram que, nessa fase, prevaleceram os interesses nacionais dos Estados-membros.

As conclusões são de um estudo que foi publicado esta sexta-feira na "Frontiers in Public Health", em que foram ouvidas as opiniões de 18 especialistas europeus em saúde pública sobre a resposta da UE durante a primeira vaga da pandemia.

No entender dos peritos, os interesses individuais dos diferentes países sobrepuseram-se muitas vezes a respostas mais amplas à escala da União, um sinal da fraca posição do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC na sigla em inglês) e da Direção-Geral de Saúde e Segurança Alimentar.

Durante a atual pandemia, especificamente, a posição frágil destas duas instituições no contributo de uma resposta coordenada tornou-se "dolorosamente óbvia", considera um dos seis autores, Thomas Krafft.

"A preocupação com os interesses políticos nacionais a curto prazo e a fragmentação e ausência de liderança das instituições da UE impediu uma resposta pandémica coordenada e efetiva", sublinha o professor na Universidade de Maastricht, nos Países Baixos, citado em comunicado.

Exemplo disso, refere, foi a forma como diferentes países reagiram de maneiras muito distintas durante os primeiros meses da pandemia: Se Espanha e Itália restringiram a circulação no país e impuseram quarentenas estritas, os Países Baixos e a Suécia rejeitaram o confinamento geral e confiaram nos seus cidadãos.

Segundo os autores, a forma como estas medidas variadas, e por vezes conflituantes, foram cosidas numa espécie de manta de retalhos poderá ter enfraquecido a confiança do público nas autoridades de saúde nacionais e da UE.

Por outro lado, os especialistas ouvidos nas entrevistas que decorreram em maio e agosto de 2020 também identificaram aspetos positivos da resposta da UE, designadamente a respeito das vacinas contra a Covid-19.

"O mecanismo de aquisição conjunta da UE foi reconhecido como uma grande conquista e um instrumento válido de gestão de crise", resume a principal autora do estudo, Marie Gontariuk, acrescentando que, ainda assim, os peritos também concordaram que haveria melhorias a fazer.

Segundo as conclusões do estudo, àquela data, a maioria dos especialistas aprovou a abordagem cooperativa da União para a aquisição de vacinas, apesar de considerarem que o processo foi mais lento do que o desejado.

Por outro lado, e em nota negativa, alguns referiram que parecia haver uma "surpreendente falta de confiança e transparência" entre os países, sobretudo a respeito da promulgação do Regulamento Sanitário Internacional, conforme preconizado pela Organização Mundial da Saúde.

Perante estas conclusões, a principal autora do estudo, Marie Gontariuk, deixa uma recomendação: "A nível dos Estados-membros, a segurança sanitária global deveria tornar-se, novamente, um aspeto crítico das suas agendas nacionais para a saúde."

Esta visão é partilhada com uma outra autora, Eva Pilot, que acrescenta que deveria ser uma prioridade máxima trabalhar em prol de um sistema nacional de saúde coordenado, melhorado e resiliente, fortalecendo também os sistemas de vigilância locais, regionais e nacionais.

O estudo publicado esta sexta-feira reflete apenas a avaliação da resposta da UE durante a primeira vaga da pandemia da Covid-19 e, por isso, os responsáveis ressalvam que são necessárias mais entrevistas para ter uma imagem mais completa, que acompanhe a evolução da pandemia, e consideram também útil ouvir os pontos de vista dos políticos, além dos especialistas médicos.

LEIA TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de