"A situação atual da epidemia ultrapassou as capacidades do sistema de saúde"

Cuba é neste momento o país com números mais preocupantes no continente americano e um dos cinco piores no mundo. Miguel Díaz-Canel salientou que a atual vaga de Covid-19 está a "exigir o máximo a todos os profissionais de saúde de todas as organizações que enfrentam a pandemia".

A capacidade do sistema de saúde de Cuba foi ultrapassada devido à incidência da pandemia de Covid-19, com milhares de novos casos e dezenas de mortos nas últimas semanas, admitiu na quinta-feira o Presidente cubano Miguel Díaz-Canel.

"A situação atual da epidemia ultrapassou as capacidades do sistema de saúde, dificultando o trabalho de todos os profissionais", apontou o Presidente de Cuba, citado pelos meios de comunicação estatais durante a reunião do grupo de trabalho criado para controlar a pandemia de Covid-19.

Com uma incidência de 1190 casos por cem mil habitantes nos últimos dias, Cuba é neste momento o país com números mais preocupantes no continente americano e um dos cinco piores no mundo.

Nos últimos dias, a ilha com 11,2 milhões de habitantes registou mais de oito mil casos e 70 mortes diárias em média.

Nas redes sociais circulam imagens de hospitais sobrelotados nas regiões mais atingidas pela pandemia, noticia a agência EFE.

Miguel Díaz-Canel salientou que a atual vaga de Covid-19 está a "exigir o máximo a todos os profissionais de saúde de todas as organizações que enfrentam a pandemia". E acrescentou que há também um maior consumo de medicamentos e oxigénio.

Cuba, que enfrenta uma grave crise económica que causou escassez generalizada de alimentos, sofre também com uma preocupante falta de medicamentos, o que contribui para agravar o impacto da pandemia.

Nas últimas semanas, têm sido lançadas campanhas de doação de medicamentos para aquele país.

Para o Presidente de Cuba, a receita para inverter esta situação é "uma maior exigência às instituições de saúde e rigor no trabalho", mas também "a compreensão da população".

"Juntos temos que contribuir para nos protegermos e protegermos os outros", realçou.

Díaz-Canel instou ainda os profissionais de saúde e cidadãos a cumprirem as regras de isolamento e as normas de higiene, bem como as restrições impostas pelo Governo, desde a obrigatoriedade do uso de máscara, a proibição de aglomerações e o cumprimento do recolher obrigatório.

A Covid-19 provocou pelo menos 4.323.957 mortes em todo o mundo, entre mais de 204,7 milhões de infeções pelo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

LEIA TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de