Alemanha impõe a partir de domingo teste a viajantes não vacinados

Autoridades alemãs contabilizaram 2.454 novos casos e 30 mortes atribuídas a Covid-19.

A Alemanha vai impor a partir de domingo um teste à Covid-19 a todos os viajantes não imunizados que pretendam entrar no país, para evitar um aumento dos contágios, confirmou esta sexta-feira o Ministério da Saúde alemão.

Hoje, a Alemanha registou 2.454 novos casos e 30 mortes atribuídas a Covid-19.

"Todos os veraneantes não vacinados terão de ser testados, quer regressem de avião, carro ou comboio", afirmou o ministro da Saúde alemão, o conservador Jens Spahn, citado num comunicado de imprensa.

Até agora, essa obrigação só se aplicava às pessoas que chegavam de avião ao país. A medida diz respeito a todos os viajantes com mais de 12 anos.

"Assim, reduzimos o risco de novas infeções", defendeu o ministro, quando os alemães começam a regressar das férias de verão.

A medida, que já estava a ser estruturada, deverá ser hoje aprovada e detalhada pelo Governo alemão.

"É correto que os turistas que não estavam anteriormente sujeitos a esta obrigação estejam agora a ser testados", disse o vice-chanceler, Olaf Scholz, à televisão pública ARD.

"Quem está de férias também quer um bom outono e um bom inverno", disse o social-democrata, referindo-se aos receios de uma quarta onda da pandemia, mesmo que o nível de infeção seja menor na Alemanha do que em muitos países europeus.

Pessoas com um certificado de vacinação ou recuperação da covid-19 estão isentas da obrigação do teste.

No entanto, mesmo as pessoas imunizadas devem ser testadas quando o seu país de origem é classificado como país altamente afetados por variantes do novo coronavírus. Essa categoria atualmente inclui o Brasil e a África do Sul.

O controle das fronteiras terrestres e ferroviárias não será sistemático, disse a polícia federal alemã. Os trabalhadores transfronteiriços não são afetados pela medida.

Os chefes de governo de regiões fronteiriças, incluindo a Baviera e a Renânia-Palatinado, têm pressionado por uma expansão da exigência de testes nos últimos dias.

Neste momento ocorre uma desaceleração da campanha de vacinação, assim o país está preocupado com uma quarta onda da pandemia, ainda que o ressurgimento das infeções causadas pela variante Delta, altamente contagiosa, continue mais moderado do que na maioria dos países vizinhos.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de