Braço de ferro entre França e Mali instala-se na campanha presidencial francesa

O chefe de Estado francês tem vindo a fazer um braço de ferro com a junta do Mali. Deve ele manter ou retirar as forças francesas de Bamako? A questão instalou-se na campanha eleitoral.

Faltam 65 dias para a primeira volta das eleições presidenciais francesas, e Emmanuel Macron ainda não se apresentou oficialmente como candidato e enfrenta várias crises internacionais. Ao lado do dossier da Ucrânia, o chefe de Estado vive um braço de ferro com a junta do Mali. Manter ou retirar as forças francesas de Bamako? A questão instalou-se na campanha eleitoral.

Depois da expulsão do embaixador francês no Mali pela junta maliana, a questão da presença militar francesa no Mali instalou-se na campanha presidencial francesa. Muitas vozes levantam-se no Mali. Em França, a maioria dos candidatos presidenciais pedem a saída das forças tricolores. Emmanuel Macron quer esperar alguns dias para encontrar uma resposta comum com os parceiros europeus.

Tempo perdido, apontam os adversários, que vão levantar a voz nos próximos dias, num debate no Parlamento. À direita, como à esquerda, todos concordam com a retirada das forças francesas no Mali.

Marine Le Pen propõe, por exemplo, repatriar os soldados tricolores para o Chade. A expulsão do embaixador francês é, para a candidata de extrema-direita, uma "humilhação". A candidata da União Nacional pede reciprocidade, mas o problema é que não existe, há já dois anos, embaixador do Mali em Paris. Valérie Pécresse cometeu a mesma gralha. A candidata dos Republicanos pede também a partida dos militares franceses, como forma de exigir respeito.

Este também é o pedido do candidato ecologista Yannick Jadot. "Primeiro, peço que a França obtenha, por parte do Governo maliano, uma decisão quanto à presença francesa no país. Em segundo lugar, os nossos militares devem permanecer nos quartéis e preparar a retirada para outros países da região. Fomos para o Mali a pedido do Governo maliano, e está fora de questão ficar lá contra a vontade do Governo maliano", defendeu.

É a posição defendida pelo candidato da França Insubmissa, Jean-Luc Mélénchon. Os candidatos ao Eliseu são muito menos faladores quando questionados quanto à fórmula para continuar a luta contra o terrorismo no Sahel.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de