Castillo obtém a maioria dos votos nas eleições presidenciais peruanas

O Júri Nacional Eleitoral ainda não proclamou o vencedor das eleições. Resta apenas 0,328% dos votos para contar.

Pedro Castillo obteve a maioria dos votos nas eleições presidenciais de domingo no Peru, com 50,168% dos votos, restando apenas 0,328% para contar, uma distância que a sua rival, Keiko Fujimori, não será capaz de ultrapassar.

O Júri Nacional Eleitoral (JNE) ainda não proclamou o vencedor das eleições, e só o fará até rever as várias petições de supressão de votos apresentadas pelo partido de Fujimori e Castillo.

A missão de observação eleitoral da Organização dos Estados Americanos (OEA) excluiu a existência de "graves irregularidades" nas eleições peruanas disputadas no domingo passado, ao contrário do que foi denunciado pela candidata Keiko Fujimori.

Numa declaração do chefe da missão, o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros do Paraguai, Rubén Ramírez Lezcano, salientou que em todas as reuniões que realizou "observou um processo eleitoral positivo" no qual "se registaram melhorias substanciais entre a primeira e a segunda volta".

Do mesmo modo, o diplomata declarou que "a missão não detetou irregularidades graves".

"A missão está confiante de que as autoridades eleitorais continuarão a levar a cabo o trabalho sério e profissional que têm feito até agora. Também espera que todos os atores políticos recebam as garantias necessárias de um processo democrático, que os recursos apresentados sejam tratados de acordo com a lei e que, uma vez concluída esta etapa, a vontade do povo seja reconhecida e respeitada".

No comunicado de imprensa, Ramírez salientou "o acordo dos dois candidatos em não se proclamarem vencedores até que todos os desafios tenham sido resolvidos, em respeitar as garantias do processo e a institucionalidade eleitoral peruana, e em reconhecer o resultado eleitoral uma vez resolvida a fase jurisdicional da eleição.

Apesar deste relatório da OEA e de outros observadores eleitorais que excluíram a existência de fraude nas eleições, Fujimori anunciou na quarta-feira passada que iria contestar e procurar anular 200 mil votos sob acusações de irregularidades e "fraude na mesa de voto".

Sem apresentar provas concretas, a equipa de Fujimori apresentou como argumentos alegados falsificação das assinaturas dos membros da mesa, ou a falsificação dos resultados da mesa só porque não apresentaram um único voto para o candidato.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de