Coreias retomam comunicação telefónica interrompida há mais de um ano

A Coreia do Norte tinha destruído o edifício do gabinete de ligação intercoreano local e bloqueado o diálogo entre os dois países.

As duas Coreias retomaram, esta terça-feira, a comunicação telefónica, 13 meses depois de ter sido cortada unilateralmente pelo Norte, em protesto contra o envio de propaganda antirregime por ativistas do Sul.

Os dois vizinhos, tecnicamente ainda em guerra desde o fim da Guerra da Coreia (1950-53), decidiram retomar os contactos telefónicos a partir das 10h00 (2h00 em Lisboa), disse, em comunicado, o porta-voz da Presidência da Coreia do Sul, Park Soo-hyun.

O Presidente sul-coreano, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, trocaram cartas, várias vezes desde abril, para discutir o restabelecimento das relações intercoreanas", de acordo com a mesma nota.

O comunicado acrescentou que "os dois também concordaram em restabelecer a confiança mútua entre as duas Coreias o mais rapidamente possível e fazer novos progressos na relação bilateral".

A agência noticiosa estatal da Coreia do Norte, a KCNA, também divulgou o restabelecimento das comunicações e da correspondência entre os líderes dos dois países.

A KCNA indicou que "toda a nação coreana deseja ver a relação Norte-Sul recuperar dos reveses e da estagnação" e que o reinício das trocas "terá efeitos positivos na melhoria e no desenvolvimento das relações Norte-Sul".

A 9 de junho do ano passado, Pyongyang suspendeu as comunicações telefónicas com o Sul, argumentando que Seul não tinha feito o suficiente para impedir o envio de balões de propaganda a partir do seu território.

Pouco depois, Pyongyang destruiu o edifício do gabinete de ligação intercoreano local e bloqueou o diálogo entre os dois países, retomado em 2018, menos de um ano depois de Moon se ter tornado Presidente na Coreia do Sul.

O restabelecimento da comunicação surgiu depois de o regime de Pyongyang ter passado mais de um ano em extremo isolamento a tentar combater a pandemia de Covid-19 e de ter admitido recentemente uma "crise alimentar", agravada pela onda de calor que atingiu a península coreana nas duas últimas semanas.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de