Democratas aprovam reforma da polícia nos EUA

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, controlada pelos democratas, aprovou uma reforma da polícia, em resposta ao homicídio de George Floyd e aos protestos que abalaram o país.

O projeto de lei foi aprovado com 236 votos a favor e 181 contra, um dia depois de os democratas terem bloqueado no senado norte-americano uma lei republicana de reforma da polícia, considerando que não ia suficientemente longe, num contexto de contestação generalizada ao racismo e violência policial nos Estados Unidos.

A reforma aprovada na quinta-feira na Câmara dos Representantes recebeu o nome de George Floyd, o afro-americano assassinado por um polícia branco em Minneapolis, Minnesota, que o sufocou com um joelho durante quase 10 minutos, no final de maio, uma morte que provocou protestos em todo o país.

A oposição dos republicanos ao diploma (apenas três votaram a favor) torna no entanto muito difícil que a medida receba luz verde do senado, onde os republicanos têm a maioria, sem a qual não pode tornar-se lei.

Entre as múltiplas reformas que o projeto de lei estabelece está a proibição da asfixia como técnica policial, a eliminação da impunidade dos agentes, tornando mais fácil levá-los a julgamento, e a criação de uma base de dados nacional sobre abusos policiais.

"Há exatamente um mês, George Floyd proferiu as suas últimas palavras: 'Não consigo respirar', mudando o curso da história. A Câmara dos Representantes honra hoje [quinta-feira] a sua vida e a vida de todos aqueles que foram mortos pela brutalidade policial", disse a líder democrata da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi.

O diploma tem o apoio de organizações de direitos civis, autarcas, artistas e membros da família de afro-americanos mortos pela polícia.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e os congressistas republicanos criticaram o projeto, considerando que "enfraquece a polícia".

"O que vai acontecer quando tivermos uma força policial tímida e neutralizada?", questionou o congressista republicano Glenn Grothman.

George Floyd, de 46 anos, morreu em 25 de maio, em Minneapolis (Minnesota), depois de um polícia branco lhe ter pressionado o pescoço com um joelho durante cerca de oito minutos numa operação de detenção, apesar de Floyd dizer que não conseguia respirar.

Desde a divulgação das imagens nas redes sociais, sucederam-se protestos contra a violência policial e o racismo em dezenas de cidades norte-americanas, algumas das quais foram palco de atos de pilhagem, um cenário que se estendeu também a várias cidades mundiais.

Recomendadas

Patrocinado

Apoio de