É "concretizável" ter 70% dos adultos da UE vacinados no verão

Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças acredita que meta pode ser atingida. Até ao momento, os países europeus administraram quase 87 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19.

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) considera ser "concretizável" ter 70% dos adultos da União Europeia (UE) vacinados contra a Covid-19 até final do verão, apesar dos "muitos obstáculos" na campanha de vacinação europeia.

"É claro que [as metas estipuladas pela Comissão Europeia] são realizáveis, mas requerem um grande esforço de todos e faremos o nosso melhor para ajudar", disse, em entrevista à agência Lusa, o responsável pela unidade de Emergência de Saúde Pública do ECDC, Piotr Kramarz.

Questionado sobre o objetivo de vacinar 70% dos adultos da UE até final do verão ou o de atingir a imunidade de grupo em julho - conjugando a vacinação com a recuperação e consequente imunização à doença -, o responsável admitiu que "existem muitos obstáculos que podem interferir" com estas metas.

"Mas faremos o nosso melhor para chegar tão perto ou exceder este objetivo", reforçou o também chefe-adjunto do programa de doenças do ECDC.

Dados do ECDC revelam que, até ao momento, foram administradas pelos países europeus quase 87 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 de um total de mais de 110 milhões de doses que chegaram aos Estados-membros da UE.

A ferramenta 'online' do ECDC para rastrear a vacinação da UE, que tem por base as notificações dos Estados-membros, indica que, em termos percentuais, só 6,9% da população adulta da UE já está totalmente inoculada (com as duas doses), enquanto 16,8% recebeu a primeira dose da vacina, ainda longe da meta dos 70% estipulada pela Comissão Europeia.

"A taxa de vacinação média está próxima dos 7% para a administração completa e perto dos 17%, quando se pensa numa dose e é muito mais elevada, claro, para as populações prioritárias como os indivíduos mais velhos, [já que] entre 60 e 70% das pessoas com 80 anos de idade receberam pelo menos a primeira dose e mais de 40% as duas", elencou Piotr Kramarz.

Bruxelas esperava ter chegado a 31 de março com 80% da população com mais de 80 anos vacinada, bem como com 80% dos profissionais de saúde, mas em ambos os casos as metas falharam, havendo agora foco nos objetivos estipulados para o verão.

"Devo dizer que cada vez mais países estão a entrar na fase de vacinação em massa e há cada vez mais doses de vacinas a chegar [à UE] e mais vacinas a serem aprovadas, pelo que esperamos realmente que a situação melhore e que as taxas de vacinação aumentem mais rapidamente do que antes", afirmou Piotr Kramarz à Lusa.

Atualmente, estão aprovadas quatro vacinas na UE: Pfizer/BioNTech (Comirnaty), Moderna, Vaxzevria (novo nome da vacina da AstraZeneca) e Janssen (em distribuição desde segunda-feira passada).

Nesta contabilização do ECDC entram, além das vacinas aprovadas na UE, outras duas como a chinesa Sinopharm e a russa Sputnik V, cada uma com 1,1 milhões de doses administradas apenas na Hungria.

A campanha de vacinação da UE tem sido marcada por grandes atrasos na entrega de vacinas por parte da AstraZeneca e pelos efeitos secundários do seu fármaco, dada a confirmada ligação a casos muito raros de formação de coágulos sanguíneos.

A esta situação juntam-se atrasos na chegada à UE da vacina da Janssen após as autoridades de saúde dos Estados Unidos terem recomendado na terça-feira uma pausa na administração do fármaco para investigar relatos de coágulos sanguíneos.

Para o segundo trimestre do ano e após um primeiro muito abaixo do esperado, a expectativa do executivo comunitário é que cheguem 360 milhões de doses à UE, principalmente da Pfizer/BioNTech (200 milhões), da Vaxzevria (70 milhões de um total de 180 milhões inicialmente acordadas), da Janssen (55 milhões) e da Moderna (35 milhões).

LEIA TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de